Programa

19.01

Das 12.30h às 17.00h

Com Cheirinho !

A Macaréu recebe mais uma sessão de Com Cheirinho!

Pretendemos com este evento oferecer à comunidade de Tango no Porto uma nova experiência aliando uma boa refeição, o tango e o convívio entre os participantes, num ambiente que acreditamos ser descontraído e acolhedor.
Assim teremos um brunch com Cheirinho de Tango ou uma milonga com Cheirinho de Brunch!!!
Acreditamos que o facto de ser Com Cheirinho configura um valor acrescentado face a cada uma das experiências individuais. Ainda assim, se apenas quiseres experienciar uma das modalidades, tal também será possível.
Garantimos opções vegetarianas e glúten free…
Brunch e Milonga (Com Cheirinho) – 15 Tangos
Apenas Brunch – 12,5 Tangos
Apenas Milonga – 4 Tangos
Para conseguirmos que desfrutes ao máximo da nossa proposta, e para que possamos garantir um bom serviço, agradecemos que nos comuniques a tua intenção de participar, por forma a garantir que há comida suficiente para todos.
Para fazeres a tua reserva, por favor contacta:
Marta Moreira – martasgmoreira@gmail.com
Patrícia Santos – patmariasantos@gmail.com
Esperamos por ti!

18.01

Às 18.00h

Ciclo de conversas organizado pela Rede para o Decrescimento

CONVERSAS DECRESCENTISTAS

(organizadas pela Rede para o Decrescimento)

O que é o decrescimento? Esta é a interrogação fundamental em todas as Conversas. A ela vem reunir-se outra pergunta, variando esta de mês a mês, mais específica ou mais orientada: todos os meses teremos um tema diferente e convidados oriundos de outros movimentos ou horizontes, para trocarmos ideias de modo aberto e criativo. Como podemos contribuir, numa perspectiva decrescentista, para a superação dos desafios actuais, na nossa vida, na região ou no planeta?

Venham conversar. Após a tertúlia, haverá um convívio com música, comes e bebes, para começar bem a noite de sábado.

18 JANEIRO | ECONOMIA: A FALÁCIA DO CRESCIMENTO

A economia tornou-se uma abstração. Ensinou-nos a quantificar tudo o que fazemos e conhecemos. Na raiz do decrescimento está a crítica a esse reino da quantidade. Na nossa primeira conversa, regressamos aos valores do tempo vivido e das coisas concretas.

O crescimento constante é um imperativo do sistema financeiro, onde bancos e Estado criam dinheiro que tudo compra através de dívidas e inflação. Contudo, este sistema chegou a um limite metabólico, a natureza não consegue repor os recursos no ritmo de seu consumo. As dívidas tornam-se impagáveis. A privatização ou estatização incessante dos comuns impossibilita a sobrevivência fora do mercado laboral e do salariado. A desregulação e a austeridade removem todas as seguranças e, mesmo nos países de capitalismo avançado, diminui a qualidade de vida das pessoas.

Numa perspetiva decrescentista, é preciso repensar a prosperidade dissociada do crescimento económico e os objetivos sociais da produção e da distribuição do produto do trabalho. Nesta sessão, conversaremos sobre novas e antigas ideias relativas à desmercantilização do trabalho, a reapropriação social do dinheiro/valor e a necessidade de se abandonar o PIB como medida da qualidade de vida.

17.01

Às 21.00h

Concerto dos Divergent Fractals

Livre. Liberdade. Improvisação.

Desde o início de 2018, Johny Murata (guitarra) e Sérgio Vieira (bateria) trilham juntos o caminho da livre improvisação.

Com traços das mais distintas influências (como free jazz, avant-garde, música erudita contemporânea, fusion e música brasileira) em sua abordagem, o duo com característica peculiar apresenta um concerto totalmente improvisado e exploratório, da mesma forma como gravou Rough Ground, primeiro disco lançado em Dezembro de 2019.

Divergent Fractals é um projeto de criação e exploração de atmosferas sonoras em tempo real, improvisados por dois músicos que só buscam a liberdade. 

11.01

Às 21.00h

Concerto dos Overland Trio

Após o lançamento de “Demo Tape”, o Overland Trio está na estrada para apresentar o culminar dos primeiros 8 meses de trabalho, em que a experimentação sonora livre de preocupações de rotulação estética foi vector de pesquisa. O resultado é uma simbiose das diferentes experiências individuais numa fusão estilística e minimal

Formado por David Marques na guitarra, Paulo Ferreira nos sintetizadores/teclados e Nuno Borges no saxofone, o Overland Trio viaja em torno de improvisações sobre temas simples, explorando os instrumentos e planícies electrónicas na criação de uma banda sonora imaginária.

As in uencias do jazz, trip hop, minimal electronica e a guitarra clássica do surf rock, encontram um ponto de encontro e articulam-se em segmentos musicais que exploram os sons dos instrumentos, ritmos intrincados e gradações de densidade que se materializam em performances experimentáis e sónicas.

overlandtrio@gmail.co

David 966 964 59

Nuno 969 013 77

Paulo 916 311 266

10.01

Às 21.00h

Conversa com Dr. Tomás Sopas Bandeira a propósito do seu livro Zahra (Edições Afrontamento)

Prefácio do livro “Zahra”, de autoria do Dr. Tomás Sopas Bandeira

O livro “Zahra”, ora publicado pelo meu colega Dr. Tomás Sopas Bandeira, tem sempre em filigrana, a nossa indiferença perante o sofrimento, angústia e desespero do povo saharaui, aqui representado na vivência quotidiana de Zahra, encurralado há décadas num cantinho a sudoeste da Argélia, junto a Tindouf, uma das zonas mais tórridas do nosso planeta.

São mais de trezentos mil seres humanos exilados à força do seu país que, perante o cinismo, a cobardia e a aparente impotência da “Lei Internacional”, gerida pelo primado da força e da corrupção, tentam sobreviver à custa de ajudas de organizações não-governamentais, de algumas agências das Nações Unidas e da Boa Vontade da Argélia que os acolheu, mas sobretudo graças a uma resiliência e a uma vontade férrea de sobrevivência.

Visitei em 1996 a zona que serve de cenário à vida da jovem Zahra que incarna, neste romance histórico e real, toda a dor e esperança de um povo que, com imensa dignidade, tenta não se deixar apagar do mapa-mundo.

Zahra é a nossa Mãe, a nossa Mulher, a nossa Filha que, na bela e profunda escrita do meu jovem colega que, como eu, também esteve e conviveu com o povo saharaui nas suas wilayas, vilas, junto a Tindouf, resiste, se interpela, nos interpela sobre o drama coletivo do seu povo que permanentemente perpassa na sua vida pessoal e da sua família, sobretudo do seu filho recém-nascido, sim porque nesse oásis-inferno também a vida teima em brotar ainda novos amanhãs, novos sonhos… Filho esse que é por Zahra, ao fim e ao cabo, o reportório do amanhã possível, sombrio ou luminoso, de todo o seu povo!

Este livro é magnífico pela sua história, pelo seu enredo engaiolado num exílio desértico, pelas reflexões comoventes, revoltadas, amorosas e sempre esperançosas de uma magnífica Mulher, Zahra, pela qual, como ser humano e leitor desde já me apaixonei pela dor, angústia e medo que ela carrega na sua pesadíssima canga, mesmo sem um futuro risonho em perspetiva.

Para interiorizar a essência representada por Zahra, tão magistralmente transmitida pela escrita profunda e interpretativa do meu amigo e colega, é preciso ir a Tindouf.

Tindouf e Zahra são murros no estômago de todos nós, dados por punhos de resiliência, de amor, de ternura, de angústia, de medo existentes sob um céu magnificamente estrelado, sob um sol abrasador e tempestades de areia sufocantes tal como a História de Zahra, da sua família, do seu povo heroico e esquecido.

Eu fui a Tindouf e fiquei marcado para sempre! Sim, eu estive em Tindouf e nunca mais esqueci!

Obrigado Amigo e Colega Dr. Tomás Sopas Bandeira por me ter dado a felicidade de ser prefaciador deste seu belo livro. O Futuro da Humanidade, a sobrevivência da Humanidade também está na alma, na poesia e no coração de todas as Zahras que choram mas não desistem.

Prof. Doutor Fernando de La Vieter Nobre

Fundador e Presidente da Fundação AMI

Professor Catedrático convidado da

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

2.01

Às 21.00h

Fazer a Cidade – encerramento da exposição de fotografias do Porto de 1925, da colecção particular de César Romão, com Isabel Andrade Silva.

A cidade faz-se e (re)faz-se constantemente e suspensas em memorações ficam outras cidades… O fervilhar dos habitantes que gravitavam à volta de fontes, portas de muralha, ruas estreitas e travessas desapareceu mas mantém-se na geometria da cidade. Assim o que faz a cidade, o que se desenha e emerge na urbe são ecos das usanças e práticas dos que a habitaram.

Isabel Andrade Silva

28.12

Às 21.00h

Concerto com a DMT Band

DMT Band é o nome de um grupo de tributo a Depeche Mode, composto por Peter Lopes, na voz, e John Veri, nos teclados. Este projeto faz-nos viajar para o mundo e o som característico de uma das banda mais carismáticas e míticas dos anos 80.


O bar/ petiscaria abre às 20h.

27.12

Às 22.00h

Recital de canto

O tenor Mário Ferreira e o pianista Vladimir Omeltchenko vão interpretar temas que vão desde a ária lírica (Deposuit de Bach) passando pela canção típica da época (White Christmas) ao musical (Fantasma da Ópera de L. Weber).

Programa:


20h30 – Jantar

22h00 — Recital


22.12

Às 18.00h

Língua própria

Sinopse

Partindo do cancioneiro tradicional português, a proposta é uma viagem que reinventa cantares e tocares populares trazendo-os para o mundo dos cordofones e percussões portuguesas, explorando a sua riqueza tímbrica, desconstruindo para logo reerguer as melodias e ritmos que povoam e enriquecem a paisagem sonora portuguesa.

Nota biográfica 

Língua Própria é um projecto musical surgido em 2019 e dedicado à exploração do universo da música tradicional portuguesa. Os seus elementos têm um percurso variado relacionado tanto com o estudo e prática da música erudita europeia, como da música popular de várias culturas.

João Diogo Leitão – Guitarra, Viola Braguesa

Pedro João – Cavaquinho, Viola Braguesa

Sofia Portugal – Voz, adufe

Contactos:

e-mail: linguapropria@gmail.com
tlm: 914 607 245
facebook: https://www.facebook.com/LinguaPropria/ instagram: https://www.instagram.com/linguapropria/

21.12

Às 21.00h

Recital de Natal na Macaréu com Vladimir Omeltchenko

Recital natalício na Macaréu, com Vladimir ao Piano, a dar a volta ao Mundo do Natal…. Na presença de uma grande Família!…

21.12

Às 16.00h

Sopros contados

‘Dois Elfos completamente antagónicos viajam pelo mundo.
Trazem nas suas pesadas malas as aventuras dessas viagens que querem partilhar com todos aqueles que tenham ouvidos de ouvir e corações de sentir.’

Clara Oliveira e Inês Severino dão alma e asas à companhia Sopros, https://www.facebook.com/soprosopros/. Queres vir voar também?

13.12

Às 19.00h

14.12

Às 13.00h

16.12

Às 16.30h

A Macaréu recebe Yosune, Rita Nóbrega e Monalisa Lins com a peça de teatro O Encontro.

O Encontro

Conta a história de duas crianças… Não se conhecem… Vêm de lugares diferentes, falam línguas diferentes, vivem de formas diferentes… Não se entendem! Entre jogos e brincadeiras alguns dos desentendimentos são diluídos… Novos espaços são criados… 

É na música que encontram as suas maiores afinidades e prometem viajar juntas pelo mundo “quando forem grandes”…

14.12

Às 16.00h

Apresentação do livro O perfil dos dias de Manuel Veiga, da editora Modocromia, por Conceição Lima.

7.12

Às 18.00h

Fazer a Cidade – abertura da exposição de fotografias do Porto de 1925, da colecção particular de César Romão

Apresentação por Isabel Andrade Silva.

A cidade faz-se e (re)faz-se constantemente e suspensas em memorações ficam outras cidades… O fervilhar dos habitantes que gravitavam à volta de fontes, portas de muralha, ruas estreitas e travessas desapareceu mas mantém-se na geometria da cidade. Assim o que faz a cidade, o que se desenha e emerge na urbe são ecos das usanças e práticas dos que a habitaram.

Isabel Andrade Silva

6.12

Às 21.00h

Conversa com Vanda Azuaga a propósito do seu livro A viagem do mamute

Nota biográfica e convite (2 em 1)

Mulher, 60 anos, metade tripeira, metade transmontana, mãe e professora, dividida entre números e letras. Gosta de viajar, escrever, conversar e divagar. Apaixonada por casas abandonadas e gente mal-amada. Observadora e boa ouvinte. Procura cavalheiros ou senhoras interessados partilhar histórias e aventuras à volta de uma chávena de chá ou um copo de tinto, no Macaréu. Leva a “viagem do mamute” na mão, um casaco branco e um sorriso largo. Assunto sério, mas bem-humorado. Quem quer aparecer?

Texto: uma mulher portuguesa de meia idade, decidida a arrumar ideias e provar que ainda ia a tempo de realizar sonhos, meteu pernas a caminho e foi até ao sul de Marrocos fazer voluntariado numa escola. O diálogo interior constante, as memórias e a associação de ideias, na envolvência de uma cultura tão diferente, levaram a que escrevesse um livro sobre esta viagem. Muitas aventuras, descobertas, relato fiel das diversas situações, (algumas bem embaraçosas!) que viveu, levam o leitor a viajar também e a perceber que afinal as duas culturas não são assim tão diferentes.

4.12

Às 21.00h

Apresentação do livro Voar como Ciência Pura de José Queiroga, da colecção Poesia 26 da Editorial Moura Pinto com parceria do Atelier 26.

José Queiroga nasceu em Braga, no ano de 1953. Tem colaboração dispersa por antologias, jornais, revistas e inúmeros catálogos de exposições, sobretudo de pintura. Publicou Solar Impudor dos Pássaros em 2011, Na Quietude da Água em 2017. Sal de Eros, em 2018 e o presente Voar como Ciência Pura em 2019. Assinou antologias de poesia da série 26 poemas 26 pinturas, nomeadamente, de António Arnaut e Eugénio de Andrade. Antologias breves de Camilo Pessanha e Luís Valle. Traduziu, melhor dizendo, fez versões de várias centenas de haikus dos grandes mestres japoneses; como Matsuo Bashô, Yosa Buson, Issa Kobayashi, Masaoka Shiki e Taneda Santoka, entre muitos outros. Escreveu ainda para teatro inúmeras peças, que foram levadas à cena, tendo duas delas sido publicadas: As Viagens de Maldino e Amarília – Princesa de Belomar. Fez traduções das obras para teatro de marionetas de Federico Garcia Lorca e de Javier Villafañe. Tem em preparação novo título de poesia: Blues & outras especiarias e uma trilogia de peças para teatro.

30.11

Às 17.30h


Festa de encerramento da exposição Reflexão de Helena Cardoso

A porta vermelha abre às 17h30 (assim como o bar/ petiscaria)

Conversa informal com a artista Helena Cardoso e pojecção dos filmes sobre o seu trabalho (hora a decidir pela própria) e momento musical com Mário Ferreira.

A partir das 20h é servido o jantar.

29.11

Às 21.00h

Concerto de Yosune acompanhada por Cauê Nardi

Cosmopolita e eclética, de origem basca mas natural da Venezuela. Uma amálgama que vive para comunicar sentimentos e visões do mundo, de todos os mundos; uma amálgama que hoje se apresenta como Yosune. 

Radicalmente autoral, ela vem com seu cuatro venezuelano para apresentar um repertório original e enriquecido pelas parcerias feitas em Portugal, e contará para esta data tão especial, com a participação do carioca Cauê Nardi, cantor, violinista e compositor que explora o Folk atravessando o mundo de olhos bem abertos, não lhe parece caro alcançar a plenitude. A liberdade é a pista para seu voo. 

Ela lançou seu primeiro álbum solo em 2016 como Yoyo Borobia, ele lançou em 2018 seu primeiro single solo chamado “Sem Destino”, e os dois já pisaram em grandes palcos como Lollapalooza e Rock In Rio (Brasil) ou Glastonbury (UK) entre outros.

Juntos, apresentaram esta noite algumas das suas canções e novas parcerias que começam a construir, sendo o primeiro encontro destes dois compositores do mundo que encontraram-se no Porto e escolheram esta cidade como fonte de inspiração das venideras canções.

23.11

tarde e noite

A Macaréu recebe, mais uma vez, o Culto-Cilcuito

CULTO-CILCUITO – Encontro de música improvisada

“Ali, onde o pensamento tem medo, a música pensa. A música que está aí antes da música, a música que “sabe perder-se” não tem medo da dor. A música experta em”perdição” não necessita de se proteger com imagens ou proposições, nem enganar-se com alucinações ou sonhos. Porque é que a música é capaz de ir ao fundo da dor? Porque é aí que ela mora”
Pasca Quignard, BUTES.  

17h RESIST!

Ulisses Teixeira (guitarra), Manuel Guimarães (teclado), João Magalhães (electrónica)

18h INTERZONE

(“Interzone: a fringe of creative souls pursuing other ways of thinking and being” 

W. Burroughs)  

PAJ (saxofone), José Pereira (bateria)

21h

The Free Jazz Company apresenta Projecto “O Uivo”, 

Turid Gunnes (Noruega), texto

PAJ, saxofone

Ulisses Teixeira, guitarra

Manuel Guimarães, teclado

João Magalhães, electrónica

José Pereira, bateria

entrada: 

concertos da tarde OU concerto da noite – 3 euros

todos os concertos – 5 euros

22.11

Às 21.00h

Apresentação, por José Queiroga,  do livro de poesia A voz silenciosa de Madalena Pinheiro, com desenho de Alberto Péssimo.

Madalena Pinheiro nasceu em Guimarães.

Licenciada em Filologia Românica pela Universidade do Porto, leccionou Português e Francês. Foi bolseira na Universidade de Bordéus (França), em 1984, e membro da comissão organizadora das Jornadas da Língua Portuguesa, realizadas em Guimarães.

Autora de trabalhos de dissertação, tais como: O Riso no discurso literário, sobre Fernando Pessoa, Herberto Hélder e Miguel Torga, é co-autora dos livros didácticos para o ensino secundário: Solidarité (11º ano), Le Rêve et la Vie (10º ano) e Bel Horizon (11º ano).

Para além da sua participação em congressos, colóquios, seminários e outros encontros de carácter científico e pedagógico, frequentou vários cursos de verão na Universidade Clássica de Lisboa, entre 1996 e 2000. Este é o seu primeiro livro de poesia.

A voz silenciosa é a forma de estar, sentir e ver o mundo.

A palavra dá inspiração e força à humanidade para se manifestar acerca de si e do que a rodeia. Na obra, as reflexões repovoam o imaginário poético: “…A vida é o olhar atento,/o respirar leve e profundo,/o sorriso que se cruza,/a palavra que se escuta…” A poesia é o sorriso de um olhar sem palavras.

21.11

Às 21.00h

Concerto com Luccablue

Lucas Laurentino da Silva, mais conhecido por Luccablue no mundo da música, é cantor, compositor e músico. Nascido na cidade de Santos, no Brasil, começou a apaixonar-se pela música popular brasileira muito jovem. 

Apenas com 15 anos começou a aprender a tocar violão clássico numa escola do bairro onde morava e foi aí que se apercebeu do seu talento para a música. Ao longo dos anos foi aprimorando as suas qualidades como artista e começou a compor a partir de 1999, ano em que escreveu o seu primeiro tema original “Momentos”. A suas principais influências musicais são Jorge Ben Jor, Bebeto, Gilberto Gil e Neguinho da Beija Flor. A música de Luccablue é uma fonte de ritmo e boa disposição, que vai desde o samba, pagode, MPB, forro ao reggae, contagiando todos os que a ouvem.

21.11

Às 17.00h

A Macaréu recebe o movimento Greve Climática Estudantil Porto com a sua rubrica Cineclima e o filme Anote’s Ark.

Sinopse:

A nação de Kiribati, na ilha do Pacífico (população: 100.000 habitantes), é um dos lugares mais remotos do planeta, aparentemente distante das pressões da vida moderna. No entanto, é um dos primeiros países que deve enfrentar o principal dilema existencial do nosso tempo: aniquilação iminente da elevação do nível do mar.  Enquanto o presidente de Kiribati, Anote Tong, corre para encontrar uma maneira de proteger o povo de sua nação e manter sua dignidade, muitos Kiribati já estão buscando um porto seguro no exterior.  Diante do cenário das negociações internacionais sobre clima e direitos humanos, a luta de Anote para salvar sua nação está entrelaçada com o destino extraordinário de Tiemeri, uma jovem mãe de seis filhos que luta para migrar sua família para a Nova Zelândia. Está em jogo a sobrevivência da família de Tiemeri, o povo Kiribati e 4.000 anos de cultura Kiribati.

17.11

Às 18.00h

Concerto de Juan Carballo & Os Imperfectos (folk-rock galego)

Juan Carballo é um poeta que realiza concertos e grava discos. tem sua própria voz, longe dos cânones oficiais e mantém sempre un trabalho independente das modas.

Seis publicações e oito tours nos últimos doze anos fazem dele uma das principais referências artísticas da Galiza. Sempre entre os mais vendidos e recentemente meio finalistas dos Premios da Música Independiente.

Na actualidade lidera o grupo de música Juan Carballo & Os Imperfectos.

Com umas letras muito cuidadas e um surpreendente som que caminha entre Folk e Rock, eles são capazes de criar experiências e aumentar os seguidores em cada concerto.

Juan Carballo e Os Imperfectos (Galiza) nascem no final de 2018, depois de se tornarem, coa mesma formação, em uma das inovações da cena musical apresentando o último álbum do artista galego. Um ano e meio despois de ter percorrido os melhores locais e salas galegas decidem fazer uma tour por Portugal.

16.11

Às 21.00h

Concerto dos Bugalhos

Em janeiro de 2015, caíram de um carvalho grande uma série de Bugalhos.

Fundem-se e confundem-se géneros musicais que confluem numa nova música de expressão portuguesa.

Os Bugalhos tocam originais em português. Sem acordo ortográfico.

Com toque de alho.

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h.

15.11

Às 21.00h

Concerto de Octavio Barattucci – Marginal (apresentação do primeiro álbum a solo)

Octavio Barattucci canta, compone y toca sus canciones con su ecléctica guitarra. Las letras, todas de su autoría, son cantadas por su voz; personal y agridul- ce. La temática abarca desde historias mínimas que lo rodean, hasta panorámicas de la sociedad; históricas y actuales.

Así nos encontramos un “Candombe marplatense”, que nos lleva a la adolescencia de un joven y sus vivencias en la emblemática ciudad atlántica. O “Crónicas del Flaco”, que revela vida y obra de un personaje de la juventud suburbana; y una “Apedreada Buenos Aires”, que hace las veces de “sainete” moderno y cuenta los hechos ocurri- dos en diciembre de 2001 con un tono tanguero electroacústico. Si la variedad hace al gusto, su primer álbum “Marginal” promete conquistar desde la amplitud de su propuesta.

Después de una década de participaciones como guitarrista, cantante, arreglador y productor de varias agrupaciones como La Coyunta, Indio Lunar y Piaste Tango, despliega su versión solista de canciones propias, regadas de elemen- tos heterogéneos en lo rítmico, tímbrico y armónico. El cantautor presenta su primer disco y prepara una serie de talleres grupales sobre composición y células rítmicas de la música argentina para dictar en las ciudades donde se presentará.

3.11

Às 17.00h

Festa de encerramento da exposição Porto – Paris – Porto do fotógrafo Rui Manuel Mendes a partir das 17:00 e até as 23:30. Venham fazer uma visita! Vai haver comida vegetariana e vegana e música com Live Act de Nuno Santos Silva – trompete solo!

2.11

Às 21.00h

Concerto de viola braguesa com João Diogo Leitão

nasceu há quase trinta anos lá por gondomar, filho da são e do zé.

há uma foto ainda bébé com uma guitarra daquelas de brincar já nas mãos. cantou no coro, cantou salmos na igreja e nos escuteiros não perdia uma oportunidade para ouvir e ver de perto os virtuosos tocadores de viola. num milagroso natal recebeu uma e começou a ter aulas.

e assim passou o tempo.

aprendeu com a cristina, com o hugo, depois foi viver a boa vida eborense encaminhado pelo dejan. por um feliz acaso foi parar à holanda e às mãos do zoran. foi a concursos e festivais e concertos e fez sempre bons amigos, que isso é que importa, não é?

depois voltou a casa, deu aulas, fartou-se, comprou uma viola braguesa e foi viajar. voltou outra vez e outra vez partiu.

e agora aqui está, perante vós, a tocar o que pode e a ser feliz com isso.

bem hajam.

“um dia parti à boleia pela europa com uma mochila às costas e uma viola braguesa na mão.

foi ela minha companheira, confidente, ganha pão, ganha abrigos, chave para tantos sorrisos e moeda de troca para tanta bondade.

juntos cantámos zecas por ruelas e praças.

e depois comecei a esconder a minha voz e a deixar a braguesa num tímidio solilóquio.

as primeiras músicas surgiram ainda pela estrada fora.

voltei a casa, à casa. e a música surgia-me no corpo, inquieta e urgente.

aos poucos tentei-a domesticar.

estes são os seus primeiros passos, o primeiro impacto cataclísmico e as réplicas que se seguiram nos últimos meses”

1.11

Às 21.30h

Cabaré Clown

A Macaréu – Associação Cultural recebe mais um Cabaré Clown, com Eva Ribeiro e seus convidados.

Celebremos o dia dos mortos, gargalhando em mais um Cabaré Clown na Macaréu Associação Cultural! Numa noite única, irrepetível e tetricamente inesquecível com a presença de artistas locais, regionais e internacionais.
Desde um palhaço que acredita sobreviver depois de para dentro de um copo de água, a uma dupla que tocará música para afastar os mortos até uma palhaça que acredita aliviar a pressão da sociedade numa incrível performance. Duas palhaças fecham a noite mostrando a sua habilidade para retratos poeticamente clownescas.

Artistas convidados
Creative Circus
Gutto clown
Jupi e Caramelota
anfitrionas As Testemunhas duo cómico

Ao chapéu!

31.10

Às 21.00h

Conversas com saber e sabor

Ciclo de tertúlias com os psicólogos Vera Gonçalves e Hélio Borges que abordam vários temas actuais ao sabor de um café. 

2ª tertúlia: Gestão de tempo é stress nos dias de hoje

Porque vivemos numa sociedade cada vez mais exigente onde sobra cada vez menos tempo para PARAR e estabelecermos prioridades pessoais e profissionais? Esta tertúlia procura debater as consequências psicossomáticas originadas pela falta de tempo.

Hélio Borges: psicólogo clínico, exerce em clínica privada sob a marca Psicologia Directa nas áreas de psicoterapia, hipnose e terapia de casal.

Vera Gonçalves: psicóloga clínica, especialização em Psicossomática; 15 anos de prática clínica vocacionada para a Psicoterapia com adultos e intervenção em contexto prisional na área de Prevenção de Comportamentos Sexuais de Risco e Promoção de Competências Sócio-Afetivas.    

26.10

Às 18.00h

Conversa/Debate O movimento universal: visões cruzadas dos nossos migrantes e dos migrantes dos outros

Com Jorge Leandro Rosa e Rui Mendes

A migração abre um espaço alucinatório. Formado pela alucinação do migrante, o estado de choque em que passa os seus dias, abre-o também o desenrolar alucinante da economia que importa trabalhadores. Se o ver parece ser o verbo seminal de John Berger, ele não é dessa ordem da visualidade que nos dizem «instantânea», «visual». O ver bergeriano forma-se pela condensação do tempo nos seres humanos aqui convocados. É nesse plano que ele dialoga com as fotografias de Jean Mohr, que, mesmo quando captam grupos, nos dão a ver o movimento essencial dos migrantes, esse movimento que entra pela solidão adentro como quem necessita de, num mesmo gesto, ser vigilante e abrir uma cova na terra. Daí que o tempo dos migrantes nunca seja inteiramente coincidente com o da abstracção histórica, na medida em que se desenrola como deslocação inominável que é preciso «pôr na ordem» por todos os meios. (pp. 249-250)

Posfácio a Um Sétimo Homem, de John Berger e Jean Mohr (Antígona, 2019)

Macintosh HD:Users:helena:Desktop:Associação MACARÉU:Macaréu site:2019:Outubro:26.10.19 leandro:Berger_um_setimo_homem_2048x2048.jpg

Jorge Leandro Rosa é ensaísta e tradutor. Doutorado em Ciências da Comunicação, pela Universidade Nova de Lisboa. Escreve sobre a cultura, a política e as artes contemporâneas nas suas relações com o Antropoceno. Foi professor universitário durante vinte anos. É actualmente investigador integrado no Instituto de Filosofia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Foi colaborador dos jornais Público e O Independente. Co-editor da revista Nada e colaborador permanente das revistas A Ideia e Flauta de Luz.

Rui Manuel Varejão Mendes nasceu no Porto, a 29 de outubro de 1954, na freguesia de Cedofeita. Frequentou a escola primária da Caramila, e o Liceu Normal de D.Manuel II. Em setembro de 1971, partiu para França onde trabalhou, durante treze anos, e onde estudou fotografia. Regressou a Portugal em 1984, dedicando grande parte do seu tempo à reportagem fotográfica a par da sua atividade profissional, no setor do comércio de fruta. Em 2006, ingressou na Faculdade de Letras do Porto, onde obteve a Licenciatura em Línguas , Literaturas e Culturas, na variante de Português/Francês.

Como fotógrafo, participa em diversas exposições como a “Objectiva-84” e “Objectiva-86”, da Festa do Avante. Expôs, individualmente, no Pavilhão da Emigração, da Festa do Avante 1984, sobre o tema “Portugueses em França”, com um conjunto de 20 fotografias. Expôs alguns trabalhos no 1.o Salão de Fotografia «Alegria-88», Braga. Em 1989, participa na Exposição Le Rêve

Portugais- 25 ans d Ímmigration Portugaise en France, organizada pelo CEDEP, Paris. Em 2014, regressa ao fascínio do fenómeno fotográfico e participa na exposição de fotografias “Álbum de fotografias 1969-1979 em Portugal” organizado pela galeria MIRA Forum, Porto. Participação com o amigo, António Fernandes, no “Diaporama: As pinturas de abril como forma de arte e liberdade de expressão”, na Casa da Música Mirandesa, Miranda do Douro e École de la Ventenayé, Graulhet, França (2014).

25.10

Às 21.00h

Poesia com música – serão informal

Com Margarida Ferreira (poesia) e Mário Ferreira (música)

Domingo, 20.10,  12.30 – 17.00h

Com Cheirinho !

A Macaréu recebe no domingo, dia 20.10 , a partir das 12.30h, Com Cheirinho!

Pretendemos com este evento oferecer à comunidade de Tango no Porto uma nova experiência aliando uma boa refeição, o tango e o convívio entre os participantes, num ambiente que acreditamos ser descontraído e acolhedor.
Assim teremos um brunch com Cheirinho de Tango ou uma milonga com Cheirinho de Brunch!!!
Acreditamos que o facto de ser Com Cheirinho configura um valor acrescentado face a cada uma das experiências individuais. Ainda assim, se apenas quiseres experienciar uma das modalidades, tal também será possível.
Garantimos opções vegetarianas e glúten free…
Brunch e Milonga (Com Cheirinho) – 15 Tangos
Apenas Brunch – 12,5 Tangos
Apenas Milonga – 4 Tangos
Para conseguirmos que desfrutes ao máximo da nossa proposta, e para que possamos garantir um bom serviço, agradecemos que nos comuniques a tua intenção de participar, por forma a garantir que há comida suficiente para todos.
Para fazeres a tua reserva, por favor contacta:
Marta Moreira – martasgmoreira@gmail.com
Patrícia Santos – patmariasantos@gmail.com
Esperamos por ti!

This image has an empty alt attribute; its file name is pacc83o-coraccca7acc83o-cocc81pia-2.jpg

19.10

Às 21.00h

Concerto Momento Sabbath

Este é um projecto que visa o RELIGAR…

de pessoas

de religiões

de sons e de sensibilidades

Cada concerto Concerto Momento Sabbath – Vozes pela

Paz…

é um concerto meditativo,

um momento de pausa,

de silêncio,

meditação

e contemplação…

Trata-se de cânticos sagrados interreligiosos originais, compostos por Tânia Pires, a criadora e mentora do projecto.

Músicos:

Tânia Pires (Voz e Ukulele)

Gabriela Cunha (Voz)

Cristiano Ramos (Guitarra Clássica)

18.10

Às 19.00h

Inauguração oficial da exposição de fotografia Porto-Paris-Porto

19:00h: Abertura das portas / petiscos e bebidas

21:00: Inauguração +  Momento musical “As músicas da viagem” interpretadas por Beatriz Mendes e Daniel Almeida

12.10

Às 21.00h

Cabaré do Cueco


A Macaréu- Associação Cultural recebe Cabaré do Cueco, com Inês Neiva e convidados.

Inês Neiva tem a honra de convidar todos os amigos, conhecidos, desconhecidos e famílias numerosas, com ou sem animal de estimação, a estar presentes no Cabaré do Cueco, um cocktail de linguagens artísticas entre a música extrapolar e metafórica entrando para dentro da mala malabarista sem planos no tempo e desvairado no espaço encontrando a palhaça Orgina deambulando no universo ridículo e grotesco do diário das bananas e comportamentos alimentares anómalos que pede sensivelmente ao pincel e a aguarela a projecção do movimento colorido da ilustração.

Artistas convidados:
Música
Dirge for Gaia- Leonel Ranção e Carlos Silva. (porto)

Clown
“Juanita Banana” Inês Neiva e Carlos Loureiro (Porto)

Manipulação/ Malabarismo
“Sem planos”- PHE Flores (Lisboa)

Música
Dream Metaphor – Nam Co- Leonel Ranção e Ricardo Canedo(Porto)

Participação especial da ilustradora Luciana Bastos- Projecto: Giro- Art On Wheels(Brasil)

Bar/petiscaria aberto a partir das 20:00h.

11.10

Às 21.00h

Micro e nano plásticos no oceano

Conversa/Debate com Vânia Afonso

Partilha de informação e debate acerca de um dos grandes desafios da actualidade, contaminação de micro e nano plásticos no ambiente.
Tópicos a abordar:
Principais fontes de micro e nano plásticos;
Efeitos nos diferentes ecossistemas do planeta;
Soluções práticas e reais de como pudemos individualmente no dia-a-dia reduzir a nossa pegada ecológica;

Vânia Afonso é uma jovem Bióloga Marinha apaixonada pela vida no planeta que tem trabalhado pelo mundo, nomeadamente, na Islândia, Cabo Verde, Alemanha, África do Sul, Madeira e Açores na área de educação ambiental e da Natureza partilhando informação acerca dos diferentes ecossistemas, o impacto do homem nos diferentes sistemas e soluções reais para sermos catalisadores da mudança positiva no planeta.

4.10

Às 21.30h

Cabaré clown

Na sexta-feira, 4 de Outubro, a Macaréu-associação cultural recebe este Cabaré Clown.

4 Palhaças juntam-se para presentear o público com o seu humor particular. De uma palhaça que vive os conflitos de uma espiritualidade exarcebada, passando para o interior da casa de uma “mulher morcego” e sua hilariante história, poderemos ainda rir com a dupla que crê que Cleopatra fará essa noite a sua Aparição e trará consigo o amor universal.
Curiosxs? Apareçam!!!
Vindos de várias partes do país serão apresentados números curtos de clown e humor físico, fechando a noite com a Orquestra dos Sopros.

Artistas convidadas:
Nádia Zambujo (Lisboa)
Pina Polar (Polónia)
As Testemunhas duo (Porto)
Orq. dos Sopros (Porto)

Bar/petiscaria aberto a partir das 20h30.

29.09

Às 18.00h

Sahara Ocidental – um povo esquecido 

Conversa/Debate com Isabel Tavares Lourenço

Resolução após resolução das Nações Unidas reafirma o direito à autodeterminação do povo saharaui, mas Marrocos obstaculiza todos os esforços de uma resolução pacífica. Enquanto isso o reino de Marrocos explora desenfreadamente os recursos naturais do Sahara Ocidental.

O conflito do Sahara Ocidental é um dos conflitos menos conhecidos do público, um povo dividido em dois separado pelo maior muro de separação do mundo (2720km), que estoicamente sobrevive em campos de refugiados no meio do deserto há 44 anos, e do outro lado do muro vive sob ocupação marroquina.

Um caso em muito idêntico ao de Timor-Leste e ao do Apartheid da África do Sul.

A última colónia de África,  cujo povo resiste e luta de forma não violenta, deveria ser um exemplo para um mundo.

Quebrar o silêncio é necessário.

Biografia

Isabel Maria Gonçalves da Silva Tavares Lourenço, nasceu em 1966 em Zurique, Suíça, tendo regressado a Portugal em 1981 onde continuou os estudos na Escola Alemã de Lisboa e depois no ensino oficial português. Trabalhadora estudante, frequentou os cursos de Línguas e Literatura Alemã/Inglês e de Sociologia.

Trabalhou como tradutora, intérprete e durante vários anos como diretora de um departamento internacional de logística de uma multinacional alemã.

Em 2006 decidiu trabalhar como freelancer para poder dedicar mais tempo ao trabalho na área dos direitos humanos.


Desde jovem que esteve envolvida na defesa da Paz e dos direitos humanos, foi representante dos alunos na escola Alemã de Lisboa, dirigente do Movimento Estudantil do Ensino Secundário, Activista do Movimento “ZLAN” Zona Livre de Armas Nucleares, participou em campanhas internacionais pela libertação de Nelson Mandela, e foi membro da Comissão de Juventude do Distrito de Setúbal. Nos acampamentos de refugiados Saharauis, no sul da Argélia, coordenou vários projetos de cooperação na área da educação e saúde.

É atualmente membro da Fundación Sahara Occidental ,sediada em Badajoz, com estatuto jurídico definido no âmbito da ação internacional em defesa dos direitos humanos. Tem participado em sessões de Direitos Humanos nas Nações Unidas em Genebra e em Nova Iorque, elabora e publica relatórios e informações sobre os direitos humanos no Sahara Ocidental fruto de trabalho de campo realizado ao longo da última década.

Acreditada pela Fundación Sahara Occidental, é observadora internacional em julgamentos de presos políticos saharauis e faz o acompanhamento e monitorização durante o período de detenção.

Colabora com porunsaharalibre.org, organização da Galega que se dedica a difundir notícias sobre o Sahara Ocidental. 

Desde 2019 é investigadora do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto.

28.09

Às 21.00h

Conversa/Debate, com Daniel Faria

O DIVINO, O HUMANO E A NATUREZA: PISTAS PARA UMA ESPIRITUALIDADE ECOLÓGICA

Perante a degradação do meio ambiente, existe uma consciencialização progressiva da Humanidade para a relevância de promover um modelo de desenvolvimento adequado que valorize a beleza e a salvaguarda da Criação e o bem-estar da humanidade, de uma forma equitativa e sustentável. A ecologia espiritual, na sua rica diversidade, reconhece que é essencial reconhecer e analisar as dinâmicas espirituais na raiz da atual crise ecológica. Neste sentido, a espiritualidade desempenhar um papel fundamental na transformação de atitudes e comportamentos e no desenvolvimento da consciência ecológica de cada um de nós e da humanidade em geral em relação ao futuro da nossa casa comum: o planeta Terra.

NOTA BIOGRÁFICA

Nasceu em 1975, em Vila Nova de Famalicão. Licenciado em Sociologia das Organizações pela Universidade do Minho e pós-graduado em Sociologia da Cultura e dos Estilos de Vida pela mesma Instituição. É diplomado pelo Curso Teológico-Pastoral da Universidade Católica Portuguesa. Em 1998 e 1999, trabalhou no Centro Regional da Segurança Social do Norte. Desde 2000, é Técnico Superior no Município de Vila Nova de Famalicão. Valoriza as ciências sociais e humanas e a espiritualidade como meios de aprofundar o (auto)conhecimento, em sintonia com a Natureza e o Universo. Dedica-se a causas de voluntariado e de associativismo. É colaborador da imprensa regional. É autor do blogue pracadasideias.blogspot.com e da página Espiritualidade e Liberdade.

27.09

Às 21.00h

Cantigas Medievais Ibéricas: Um trabalho de Arqueologia Musical

Com Jorge Luís Castro

Um espectáculo expositivo que tem como fim ser um museu vivo do Património Medieval Ibérico das cantigas em galaico-português. A partir de uma análise dos objectos líricos, musicais e históricos que nos chegaram ao Presente, serão evocadas diversas canções que remontam ao imaginário ibérico dos séculos XII e XIII. Uma viagem educativa e formativa que quererá aproximar-nos destes sonhos medievais que foram eternizados pelas fontes.

Biografia de Jorge Luís Castro

Natural do Porto, iniciou os seus estudos musicais em Piano e Cravo, tendo concluído o 8º grau de piano e o 5º de cravo no Conservatório de Música do Porto. Teve a sua primeira formação em Canto privadamente com Pedro Telles, tendo depois estudado na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, onde recebeu o prémio do IPP de Distinção por Mérito em 2012. Mais tarde ingressou na escola londrina Guildhall School of Music and Drama na classe da professora Susan Waters, depois no Conservatório de Amsterdão com Pierre Mak.

            Jorge Luís Castro apresenta-se regularmente em performances em Portugal, Espanha, Inglaterra e Holanda, tendo passado por grandes salas como o Coliseu do Porto, o Barbican em Londres e o Muziekgebouw em Amsterdão.

Na área da música medieval, integra o grupo Na Rota do Peregrino liderado pelo musicólogo e percursionista Mauricio Molina e recentemente O Corvo e a Raposa. Trabalha repertório medieval vocal com Katarina Livljanic e Benjamin Bagby e participou no curso internacional Medieval Music Besalú.

Fotografia de Adriana Romero

21.09

Às 15.00h

Apresentação do livro O caixeiro viajante, de José Pais de Carvalho (Modocromia).

Sinopse

A história passa-se numa pequena vila ou numa cidade do sul da europa, em que os habitantes são reflexos da cultura actual. Com a chegada de um personagem, o caixeiro-viajante, esse lugar nunca mais será o mesmo. A ruptura com o modo de pensar, os comportamentos e os hábitos daquele povo originam, embrionária, uma nova consciência e desencadeiam, em simultâneo, um desenlace que poucos ousarão imaginar.

Neste livro, o leitor é convidado a reflectir sobre a actualidade política, económica e social, sobre o tempo presente e a consciência de cada um de nós, de um modo penetrante mas acessível; outras vezes, através do humor e da sátira curta e bem colocada.

Nota Biográfica

Em 2015  publicou na Argentina o livro La voz Interior, a que se seguiu em 2016 a versão portuguesa, A Voz Interior,  pela edições Colibri, estando agendado para o ano de 2019 ainda a versão brasileira pela editora Penalux.

José Pais de Carvalho nasceu em Elvas em 1959, estudou na Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa de Lisboa e especializou-se em Psicologia Transpessoal na Escuela de Desarrollo Transpersonal de Madrid.

Organiza os cadernos de poesia Terceira Margem, divulgando poetas espanhóis em Portugal. No ano de 2018 foi um dos organizadores da tertúlia literária Os Meninos da Avó. É colaborador nas revistas A Ideia,  Selene – Culturas de Sintra, Eurocidade – Literatura e artes,  uma Coletânea,  Letras Salvajes (Porto Rico).

Em 2019 lança pela editora ModoCromia o romance O Caixeiro-viajante.

2.09

Às 19.00h

Rebelião pelo Clima @Macaréu

A Macaréu-Associação Cultural recebe a Extinction Rebellion Portugal para uma apresentação pública.

Enfrentamos uma crise climática e ecológica!

Apesar de todos os alertas, que se repetem há mais de 30 anos, continuamos a ver uma enorme inacção para inverter esta trajectória que nos levará ao colapso civilizacional bem mais cedo do que o optimismo nos indicava.

Os cientistas dizem-nos que temos pouco mais de 11 anos para alterar quase tudo de forma a evitarmos pontos sem retorno que tornarão irreversível o caos climático.

Isto é uma emergência global sem precedentes…e precisamos de verdadeiras soluções para evitar o colapso.

Nesta apresentação pública vamos partilhar a ciência climática mais actual, discutir o ponto de situação das políticas climáticas e oferecer soluções de acordo com estudos sobre vários movimentos sociais que levaram a mudanças de grande escala, como aquela que precisamos neste momento.

Toda a gente é bem-vinda e vamos ter tempo para perguntas e comentários.

Mais informação:
https://rebellion.earth
www.facebook.com/XR.Portugal

1.09

12.30-17.00h

Com cheirinho!

A Macaréu recebe no domingo, dia 1 de Setembro, a partir das 12.30h, Com Cheirinho!

Depois do período de férias de boa parte de nós, dando continuidade a esta nossa experiência, que alia uma boa refeição, o tango e o convívio entre os participantes, num ambiente que acreditamos ser descontraído e acolhedor, repetimos, no próximo dia 1 de setembro, o brunch com Cheirinho de Tango ou uma milonga com Cheirinho de Brunch!!!
Acreditamos que o facto de ser Com Cheirinho configura um valor acrescentado face a cada uma das experiências individuais. Ainda assim, se apenas quiseres experienciar uma das modalidades, tal também será possível.
Garantimos opções vegetarianas e glúten free…
Brunch e Milonga (Com Cheirinho) – 15 Tangos
Apenas Brunch – 12,5 Tangos
Apenas Milonga – 4 Tangos
Para conseguirmos que disfrutes ao máximo da nossa proposta, e para que possamos garantir um bom serviço, agradecemos que nos comuniques a tua intenção de participar, por forma a garantir que há comida suficiente para todos.
Para fazeres a tua reserva, por favor contacta:
Marta Moreira – martasgmoreira@gmail.com
Patrícia Santos – patmariasantos@gmail.com
Esperamos por ti!

20-21.07

Mini-Festival do Riso

20.07

Das 15h às 18h: Oficina do Risoterapia (ver programa em Oficinas)

Às 19.00h, Someti2, com Pepes Show

¿Qué hacer cuando el amor se ve interrumpido una y mil veces por el abuso laboral?
 María la costurera y Bernardo el Mayordomo dan vida a someti2, una antigua tragicomedia de amor que no está ajena a la actualidad.


Categoría: Teatro gestual, comedia visual y clown


Público: todas las edades

Humor:universal.

Pepe’s Show é um dúo chileno que fusiona com muita habilidade e criatividade diversas disciplinas circenses, teatrais e cómicas com uma expressão particular que vos surpreenderá. Pepe’s Show nasceu da necessidade de união das suas vidas com o que mais os apaxiona…o riso do público.

O bar/petiscaria da Macaréu abrirá às 20.00h

21.07

Às 20.00h, Uai Casting, com Isadora Oliveira

O circo Uai está em busca de uma nova artista, mas as exigências para a vaga exigem várias habilidades: palhaçaria, malabarismo, conhecimento musical e muito carisma.

Isadora Rinelle é brasileira, atriz desde 1996, equilibrista em andas desde 2009 e palhaça desde sempre. 
Participou da montagem e circulação de variados espetáculos junto a Cia Teatro de Pano, Trupe Trotte e Companhia Tempo Teatral. 
No campo das artes circenses atuou em inúmeros e relevantes eventos como 5 edições do Festival Paulista de Circo, 8º Palhaçaria Paulistana, Festival Internacional de Teatro de Rua Imaginarius – Portugal, Festival de Circo de Taquaruçu TO, Encontro de Palhaças do Mundo DF, Encontro de palhaços da Vila do Conde, Bolina, 12°Ciclo de mulheres Palhaças do Chapitô, entre outros. Participou da montagem dos espetáculos: “Circo Laska”, “Bandalhaços Show”, “Cirq&Tal” e “Restodontê”. No Brasil foi integrante da Cia Do Nariz que pesquisa a figura do palhaço de forma colaborativa, exerceu as funções de palhaça, equilibrista em andas, malabarista, contorcionista e produtora. 
Fez cursos na área da palhaçaria com Ésio Magalhães, Andreia Macera, Anna Delirium, Tom Roos, Karla Conká, Darina Robles Perez entre outros. 
Atua como artista de rua junto aos turistas da Ribeira no Porto a seguir a velha tradição de passar o chapéu.

21.07

Às 22.00h, Relâmpagos, Faíscas e Bananas, com Inês Neiva

Através do universo do palhaço onde prevalece a linguagem do humor, do amor e da loucura; a vida é construída e desconstruída num anfigúrico de ideias que transportam o público para a complexa realidade do viver, ser, sentir e fazer. Este espectáculo aborda a problemática da bulimia, distúrbio da imagem e da influência e pressão exercida pelas mídias sobre o comportamento e padrão de beleza. 

Inês Neiva à mais de 20 anos que faz os circuitos europeus de animação, passou mascarada pela televisão e andou em digressão pelas salas e ruas com o espectáculo “Electrotoy” que além da itinerancia venceu vários prémios, incluindo em 2006 o 3-lugar durante a primeira edição do Festival Nacional de Animação de Rua da Póvoa de Varzim. Fez o Curso Profissional de Teatro pelo Balleteatro e estágiou na Académie Européenne de Théatre Corporel, em França. Fez formação de palhaço com Gabriel Chame Buendia, André Riot-Sarcey, André Braga, Pepe Nunes, Sílvia Leblon, Karla Concá, Gabi Winter, Patrice Collona D’istria, entre muitos outros e é certificada em Risoterapia \Yoga do Riso que lecciona há 4 anos. 

O bar/petiscaria da Macaréu abrirá às 19.00h

14.07

12.00h-00.00h, Dogmingo

Primeira edição do Dogmingo! Será um domingo com e para os animais. O principal objectivo deste evento é reunir apoios para ajudar animais errantes e resgatados, a ser cuidados por alguns bons corações. 

Venham passar esta tarde em boa companhia onde poderão comer uma refeição e/ou snacks deliciosos (vegan) acompanhados por umas bebidas frescas. 

Vamos reunir esforços para ajudar aqueles que não conseguem pedir ajuda a terem uma vida melhor. 

Haverá palestras e demonstrações sobre assuntos que todos os tutores e/ou futuros tutores gostariam de saber! 

Descobre também a melhor forma de ajudar os animais e como agir quando encontrares um animal abandonado na rua. 

15:00 — Como posso ajudar? 

16:00 — Paw & Order  questões sobre a lei

17:00 — Demonstração cinotécnicas

18:00 – VET Q&A — Língua de gato

— Comida e bebida veggie todo dia!

— Venda de garagem 

— Mini oficina de Serigrafia faz o teu tote–bag 

Entrada livre para os patudos, sempre com trela!

** Todos os fundos deste evento vão para ajudar os animais de rua

13.07

Às 21.00h, Recital de canto lírico

Tenor Mário Ferreira acompanhado ao Piano por Ana Leonardo farão uma pequena incursão em algumas Árias de Ópera desde Mozart a Puccini, passando pela “Granada” de Lara e “Deposuit” de Bach.

Mário Ferreira, natural do Porto. Tirou curso de Canto e Guitarra no Conservatório do Porto e Curso de Música Silva Monteiro. Fez licenciatura e mestrado em Ensino de Música na ESEP/ IPP. Participou como tenor em Bastien und Bastienne (Mozart), lo Speziale (Haydn), il prodessore di música (Pergolese), Die Zauberflöte ( Mozart), Brundibar entre outras. Professor de guitarra e canto. Maestro do coro – Canto da Macaréu.

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

12.07

Às 21.00h, Concerto de Diogo Tigre

Diogo Tigre é uma pessoa que usa a música como uma meio de comunicação, mais emocional e visceral, com o intuito de elevar e inspirar a condição humana a patamares mais profundos de consciencialização de valores humanos fundamentais à nossa alegria de viver. O grande diferencial está no teor dos poemas, e na precisão com que toda a sua banda se une para reforçar essa mensagem.

Aqui num concerto intimista traz-nos uma pequena amostra do seu álbum de estreia lançado o ano passado, intitulado “O Meu Teu Mundo”, uma reflexão de vários ideais que propõe a união e aceitação das diferenças… 

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

7.07

Com Cheirinho !

Domingo, 7 de julho de 2019,  12:30 – 17:00h

A Macaréu recebe no domingo, dia 7 de Julho, a partir das 12.30h, Com Cheirinho!

Dando continuidade a esta nova experiência, que alia uma boa refeição, o tango e o convívio entre os participantes, num ambiente que acreditamos ser descontraído e acolhedor, repetimos, no próximo dia 7 de julho, o brunch com Cheirinho de Tango ou uma milonga com Cheirinho de Brunch!!!
Acreditamos que o facto de ser Com Cheirinho configura um valor acrescentado face a cada uma das experiências individuais. Ainda assim, se apenas quiseres experienciar uma das modalidades, tal também será possível.
Garantimos opções vegetarianas e glúten free…
Brunch e Milonga (Com Cheirinho) – 15 Tangos
Apenas Brunch – 12,5 Tangos
Apenas Milonga – 4 Tangos
Para conseguirmos que disfrutes ao máximo da nossa proposta, e para que possamos garantir um bom serviço, agradecemos que nos comuniques a tua intenção de participar, por forma a garantir que há comida suficiente para todos.
Os Santos Populares estão a acabar
E, com eles, o alho porrinho
Se queres dançar e “brunchar”
Tens que vir ao Com Cheirinho!
Para fazeres a tua reserva, por favor contacta:
Marta Moreira – martasgmoreira@gmail.com
Patrícia Santos – patmariasantos@gmail.com
Esperamos por ti!

This image has an empty alt attribute; its file name is pacc83o-coraccca7acc83o.jpg

4.07

Às 19.00h, Recital de flauta transversal com Margarida Moreira

Margarida da Rocha Faísca Moreira nasceu no Porto a 4 de abril de 2001. Iniciou o seu percurso musical na Academia de Música de Vilar do Paraíso em 2007, na classe do professor Joaquim Pereira, na qual frequenta atualmente o 8º grau.

            Participou nos concertos, 100 flautas e 100 saxofones, em 2013, e 100 flautas, 100 saxofones e 100 clarinetes, em 2015, dirigidos pelo maestro Pedro Neves e realizados pela Casa da Música para assinalar o Dia Mundial da Música.

Frequentou algumas masterclasses, nomeadamente com os professores Alena Walentin, Gil Magalhães e Raquel Lima.

            Integra o Ensemble de Flautas desde 2010 dirigido pelo professor Joaquim Pereira. Com este ensemble realizou diversos concertos e participou no Festival Internacional de Música para jovens de Neerpelt – Bélgica, em 2019, onde obtiveram o 1º Prémio. No âmbito das diversas atividades da academia de música de Vilar do Paraíso, integrou o estágio de Orquestra Clássica da AMVP, em 2018, dirigido pelo maestro Cesário Costa.

Programa

Partita em Lá m, BWV 1013 | J. S. Bach

Allemande

Corrente

Sarabande

Bourreé anglaise

Concerto em Sol M, KV 313 | W. A. Mozart

Allegro maestoso

Sonata para flauta e piano | F. Poulenc

Allegro malinconico

Cantilena

Presto giocoso

30.06

Às 17.00h, Sondóficina

Sondóficina é um grupo de “Música do Mundo”, onde instrumentos como a marimba, o tubofone, o placofone, placas metálicas e outros instrumentos de percussão construídos de raiz para executar os seus temas, caracterizam o som do grupo. A fusão do afro com um ar oriental cruza­se com cânticos de língua portuguesa.

29.06

Às 21.00h, Vozes da escrita – um(a) escritor(a) na Macaréu

Sessão 1: com o escritor Gabriel Magalhães

28.06

Às 21.00h, FRÀGIL

Macaréu – Associação Cultural recebe Maria Andrès e o seu espectáculo de clown gestual e poesia –  Fràgil.

FRÀGIL es un espectáculo que hace uso de las herramientas del clown más clásico y las fusiona con nuevos lenguajes como la poesía. Con unas cuantas cajas como único elemento escénico, indaga sobre la fragilidad humana, en una espera llena de sueños, expectativas, miedo y ganas, muchas ganas de vivir. Creado e interpretado por Maria Andrés, actriz y payasa valenciana, titulada en Arte Dramático en la Escalante (Valencia) y posteriormente especializada en la Diplomatura de Teatro Físico y Mimo en la técnica Drecroux en MOVEO (Barcelona).

El espectáculo, tras una residencia artística en La Maison en Paille (Suiza), fue estrenado a modo de working progress el 4 de agosto de 2017 en la Sala ETC Dénia. Desde entonces ha girado por festivales y salas como: Festival La iMAGInada (Tarragona), Festival AutogestionART (Picassent i Alcàsser) y el El dia del Circ de Breda (Girona), Centre Cívic Bon Pastor (Barcelona), Centre Cívic Casa Groga(Barcelona), CloroTour (Olba, Rubielos de Mora, Los Calpes, etc), El CampelloTeatre del Raval (Gandia), Festival Microstable (Pamplona), Teatre del Mercat (Aldaia), Teatro Círculo (Valencia), Sala Ultramar (Valencia), Bolina. Festival Internacional de Palhaças (Portugal) ,entre otros. Además de disfrutar de una pequeña gira/expedición por los campamentos saharauis de Algeria con la organización Contaminando Sonrisas.

SINOPSIS:

Caerse y levantarse. 

Caerse y levantarse. 

Caerse y levantarse.

Y, en medio de todo eso, seguir soñando, seguir jugando y, sobre todo, seguir riéndonos de nosotros mismos.

Porque, entre caída y caída, ¿quién no se enamora?

A duração da peça é de aprox. 60 min.

Idades recomendadas: Todos os públicos. Mais indicado para crianças a partir de 6 anos.

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

22.06

Às 21.00h, O duo “The Django’s”,

formado por Chiara (Itália) Johan (Suecia) e sempre acompanhado pelo cão Django (Espanha) nasce na ilha de Creta, na Grécia, e viaja pela Europa criando música e tocando nas ruas. O estilo musical nasceu dos estilos próprios e da própia paixão, por isso chamam-no de “Just Music” (só música). 

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

21.06

Às 19.30h, LADIES OUT FOR SUMMER 

Let’s face it, although things have certainly improved, there’s still a lot to do when it comes to equality between men and women. It is shocking to realize that women, regardless of race, religion or sexual orientation still have to fight daily, both at home and at work, to overcome gender disparity around the globe.

By hosting Ladies, Wine & Design for the past 2 years, we wanted to support and connect women by creating a platform for sharing knowledge, experiences, and viewpoints. It has been very rewarding to see the LW&Design community grow each month and we have been lucky enough to be surrounded by people who were always ready to lend us a hand or open their doors.

Next Friday, we will gather to celebrate all the great things we have achieved together and announce that we will have a short break and come back in September. Unlike other chapters, we will dine together and meet participants and guests from former editions. Dinner will be prepared and served by Gracja Zegarowic from Macaréu – Associação Cultural 

Registration linkhttps://forms.gle/xz4vzEKu4LsbN9HL7

15.06

Às 21.30h, Recital de violino e piano

Vladimir Omeltchenko – violino

Patrick de Hooghe – piano

Programa:

– Wolfgang Amadeus Mozart – Sonata No. 32 in B flat Major, KV 454, para 

   Violino e Piano;

– Johannes Brahms – Sonata No. 2 in A Major, Op.100, para Violino e Piano

– César Franck – Sonata in A Major, para Violino e Piano

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

14.06

Às 21.00h, Duo Artemisa

Duo Artemisa é um projeto musical da Argentina. Seus membros, Gisele Marchi e Lucas Marques, autores e cantores compositores, têm um estilo único para expressar ritmos típicos e alegres, fundidos com instrumentos indígenas da região andina como o charango e quena, acompanhados por violão, gaita e djembe Africano. Uma festa real da terra.

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

7.06

Às 21.00h, Com saber e sabor

Início de um ciclo de tertúlias com os psicólogos Vera Gonçalves e Hélio Borges que abordam vários temas actuais ao sabor de um café. 

Hélio Borges: psicólogo clínico, exerce em clínica privada sob a marca Psicologia Directa nas áreas de psicoterapia, hipnose e terapia de casal.

Vera Gonçalves: psicóloga clínica, especialização em Psicossomática; 15 anos de prática clínica vocacionada para a Psicoterapia com adultos e intervenção em contexto prisional na área de Prevenção de Comportamentos Sexuais de Risco e Promoção de Competências Sócio-Afetivas.

Sessão 1: Comunicação 

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

5.06

No dia mundial do Ambiente, a Macaréu – Associação Cultural pretende relembrar que ainda há muito a fazer em prol do Ambiente e da sustentabilidade e que cada um(a) pode e deve contribuir com gestos quotidianos que, embora pareçam pequenos, fazem a diferença e ajudam a concretizar grandes objectivos para a salvaguarda do planeta em que vivemos.

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

18.00-20.00h

Oficina – embalagens tecido encerado

Vem aprender a substituir o plástico por embalagens ecológicas com Adriana Dri no dia Mundial do Ambiente!

Oficina de embalagens em tecido encerado, reutilizáveis, laváveis, e antibacterianos.

Servem para embrulhar todo o tipo de alimentos, usa-se como tampa para todos os tachos , vasilhas, etc.

Tecido encerado, fica impermeável, não permitindo que as bactérias se infiltrem, mantendo assim os alimentos saudáveis.

A oficina fornece os tecidos e a cera para todos os participantes. Cada participante levará 2 panos encerados para casa.


Condições de participação e inscrições contactar:
duendedri@hotmal.com
macaréu.porto@gmail.com

21.00h

Folias Polifónicas

Neste 5 Junho… para este dia mundial do ambiente vamos estar na Macaréu! Com um foco muito especial no que queremos viver com e no nosso planeta!

Nesta sessão a proposta é uma exploração e desenvolvimento das nossas capacidades de exprimir a nossa voz, em conjunto e individual!

Como?

Iniciamos a sessão com uns aquecimentos corporais que nos abrem os canais sonoros!

Adicionamos alguns exercícios vocais para ter maior perceção:
1. Das diferentes formas de fazer sons
* Com a voz, os feitios bocais e os da língua…
2. Os Movimentos do som pelas diferentes partes do corpo
* Levar o som para diferentes pontos ressonantes…
** Incluindo o aperfeiçoamento e/ou desenvolvimento dos “overtones”
Exploramos possibilidades musicais por meio de sonorizações guiadas… com:
3. Melodias
4. Ritmos
5. Improvisos
6. O cantar circular e polifónico
7. Formas de acionar diferentes sonidos
8. O conforto, amplitude e dinâmica ao cantar…
Desenvolvemos o que exploramos até aqui, dentro ou fora da sessão… incluindo:
9. Momentos para cada pessoa guiar o grupo, se tiver esse impulso…
10. Improviso livre…
* Em alguns momentos palavras, frases e canções espontâneas podem acontecer!


Para este dia especial continuamos a incorporar ingredientes sonoros de diferentes partes do mundo… e quem sabe se até acontece algo para dançar!

Anda se te apetecer!…
Encontra-te no mesmo som em que te poderias perder…
e daqui… Criamos! Ressonâncias amplificadas pelo conjunto!

2.06

Com Cheirinho !

Domingo, 2 de junho de 2019,  12:30 – 17:00h

A Macaréu recebe no domingo, dia 2 de Junho, a partir das 12.30h, Com Cheirinho!

Pretendemos com este evento oferecer à comunidade de Tango no Porto uma nova experiência aliando uma boa refeição, o tango e o convívio entre os participantes, num ambiente que acreditamos ser descontraído e acolhedor.
Assim teremos um brunch com Cheirinho de Tango ou uma milonga com Cheirinho de Brunch!!!
Acreditamos que o facto de ser Com Cheirinho configura um valor acrescentado face a cada uma das experiências individuais. Ainda assim, se apenas quiseres experienciar uma das modalidades, tal também será possível.
Garantimos opções vegetarianas e glúten free…
Brunch e Milonga (Com Cheirinho) – 15 Tangos
Apenas Brunch – 12,5 Tangos
Apenas Milonga – 4 Tangos
Para conseguirmos que desfrutes ao máximo da nossa proposta, e para que possamos garantir um bom serviço, agradecemos que nos comuniques a tua intenção de participar, por forma a garantir que há comida suficiente para todos.
Para fazeres a tua reserva, por favor contacta:
Marta Moreira – martasgmoreira@gmail.com
Patrícia Santos – patmariasantos@gmail.com
Esperamos por ti!

1.06

Às 21.00h, Espetáculo A Cerimónia

A Cerimónia é um espetáculo que reflete de forma poética, teatral e absurda sobre a condição do ser humano face à morte, ao luto e aos rituais de despedida.
Carpideira de profissão, La Melodonna, a protagonista é chamada a realizar mais um funeral mas desta vez as coisas tomam um rumo inesperado.

Para onde vamos quando partimos? Será que podemos ainda fazer mais uma despedida para além da vida?
Deixando-se levar pelo impulso e pelo jogo, a protagonista é divertidamente levada numa investigação de “outro mundo”, levando o público consigo numa aventura surpreendente pelo “além”.
Inspirada em obras clássicas como a tragédia Antígona de Sófocles e em mitos da Antiguidade como o Mito de Orfeu a peça é criada de forma interactiva com o público que no final se torna o protagonista desta divertida travessia.

Género: Teatro; Clown; Absurdo;

Público alvo: maiores de 6 anos

Ficha artística:

com Eva Ribeiro

apoio à criação Tom Roos

Ilustrações Alowies

agradecimentos: Porto D’Artes; Nuvem Voadora; Casa do Coreto; Lua Cheia – teatro para todos

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

25.05

Às 21.45h, Concerto dos SONO, Final da primeira parte


Em 2014 éramos dois Guis que se cruzavam por vezes com um senhor chamado Emilio num café por baixo de nossa casa. Numa dessas vezes, o sr. Emilio convidou-nos a ir à sua toca onde nos mostrou os cadernos e as suas recordações de uma vila que viveu nos anos 70. Foi a partir desses cadernos que começamos a escrever musica para reviver esses habitantes e analíticas aventuras. Hoje somos um colectivo de pessoas que toca, grava e recria esse imaginário da vila do Sono, umas vezes somos seis ou sete, outras vezes muitos mais e às vezes sonos nem um.

10e com a oferta de um postal da vila do sono à escolha (feito por 4 artistas) e com um código para descarregar as nossas canções. As crianças não pagam

Bar/petiscaria aberto a partir das 20.00h

19.05

Às 16.00h. Sessão informativa sobre as alterações climáticas na Macaréu

Com projecção do filme “Before the Flood” de Leonardo DiCaprio.

É pior, muito pior do que imaginam…

18.05

Às 21h30. Concerto de A Tela “Esboço de sons e palavras”

A Tela é um projecto de quatro músicos da região do Porto, iniciado em 2017. Explorando as várias influências de cada elemento, tentamos criar uma sonoridade baseada na fusão de fado, bossa nova e outros ritmos do nosso imaginário.

Bar/petiscaria abre às 20.00h. É só bater à porta vermelha.

17.05

Às 21h. Recital de canto lírico

Tenor Mário Ferreira acompanhado ao Piano por Vladimir Omelchenko, farão uma pequena incursão em algumas Árias de Ópera desde Mozart a Puccini, passando pela “Granada” de Laria e “Deposuit” de Bach.

Mário Ferreira, natural do Porto. Tirou curso de Canto e Guitarra no Conservatório do Porto e Curso de Música Silva Monteiro. Fez licenciatura e mestrado em Ensino de Música na ESEP/ IPP. Participou como tenor em Bastien und Bastienne (Mozart), lo Speziale (Haydn), Il prodessore di música (Pergolese), Die Zauberflöte ( Mozart), Brundibar entre outras. Professor de guitarra e canto. Maestro do coro – Canto da Macaréu.

Vladimir Omelchenko, nasceu em 1964, em Ekaterinburg – Rússia. Iniciou os estudos musicais aos 5 anos de idade numa Escola especial musical para crianças superdotadas. Pertence à Escola Russa de Violino Paralelamente ao Violino, tem vindo a desenvolver os seus interesses e desempenho musical ao nível do Piano. À semelhança do Violino, o repertório pianístico compõe-se de um vasto leque de estilos e géneros musicais, nomeadamente a música clássica.

O Bar/petiscaria abre às 20h para o jantar.
É só bater à porta vermelha!

Pintura de Kandinski

11.05

Às 21.00h. Concerto de alunos da Escola de Música Óscar da Silva

Neste concerto irão apresentar-se alunos de guitarra, flauta transversal, violino e piano dos Cursos Básico e Secundário da Escola de Música Óscar da Silva, em que serão executadas obras de Mozart, Beethoven, Purcell, Moszkowsky, Sor e Bach.

A Escola de Música Óscar da Silva é uma cooperativa de ensino vocacional de música e pertence ao ramo do setor privado e cooperativo.

Esta escola foi criada em 8 de Outubro de 1986 de forma a possibilitar a viabilização e continuação da Academia de Música de Matosinhos, fundada pela Câmara Municipal de Matosinhos em deliberação camarária de 29 de Agosto de 1969.

Funciona em regime de programas oficiais enquadrando-se nos objetivos do Sistema de Ensino Português.

Este estabelecimento de ensino beneficia do estatuto de Instituição de Manifesto Interesse Cultural desde 1990 e de Instituição de Utilidade Pública desde 1991.

Desde a sua criação, foi sempre concedido o paralelismo pedagógico. Tendo em consideração o corpo docente devidamente habilitado, o projeto educativo e as novas instalações, foi concedida a autonomia pedagógica à escola em 2009.

A Escola de Música Óscar da Silva ocupa atualmente um edifício escolar com residência, datado do início do século XX, também conhecido como “A antiga Escola dos Sinos”. Nos últimos anos e num investimento da Autarquia de Matosinhos, o Edifício sofreu profundas obras de remodelação sem desvirtuar a respetiva imagem, convertendo-se assim numa moderna escola de música.

Bar/petiscaria abre às 20.00h. É só bater à porta vermelha.

5.05

Às 16.00h. A música deixa de ser um pano de fundo e passa para a frente da tela. A música ganha corpo, transforma-se em personagem que acompanha o filme em primeiro plano.

Neste espectáculo, os Músicos do Silêncio dão música ao cinema mudo de Charlie Chaplin, com um ensemble de 4 instrumentistas. Acompanham o filme “City Lights” com música composta pelo próprio Charlie Chaplin, tendo, no entanto, pequenos apontamentos artísticos, cómicos ou eruditos, da autoria do ensemble. Todos são convidados a entrar na aventura de um filme de Chaplin, desta vez, com a música bem perto do espectador.

Piano – Daniel Almeida
Violino – Joana Carvalhas
Saxofone e Clarinete – Sofia Teixeira
Trombone – Beatriz Mendes

Entrada – 5 Silêncios

4.05

A autora Aurora Gaia e a editora Modocromia vão estar presentes, Sábado, 4 de Maio, às 16h na Macaréu | associação cultural – Porto, para a apresentação do livro de poesia – A Palavra na Arte

Apresentado por Libânia Madureira e declamado por Carlos Manuel Ogando Revez

Aurora Gaia nasceu no Porto, em 1938, e reside, há muitos anos, na praia do Furadouro, em Ovar.

Desde sempre associada a projetos de cariz cultural, desenvolveu a sua atividade profissional na televisão – na RTP/ Monte da Virgem – como caracterizadora.

Em 1980, sob a direção de Norberto Barroca, estreou-se na companhia de teatro Seiva Trupe na peça “Quanto vale um poeta”. Seguiram-se “Um cálice de Porto”, “A dama de copas”, “Liberdade em Bremen” e “Marlene”. No Teatro Experimental do Porto (TEP) interpretou “A lenda de Gaia”, “Reginaldo”, “Os fantasmas”, “É urgente o amor”, “Henriqueta Emília da Conceição” e “Felizmente há luar”.

Em 2005, foi homenageada pela sua atividade em prol da arte, com o prémio Amasporto.

Em 2013, publicou o livro de poesia «E por isso amo tanto a Palavra», editado pela Blossom Birds Books.

Em 2017, numa produção da Companhia de Teatro Água Corrente de Ovar – CONTACTO, protagonizou a peça «Medeia», um clássico da dramaturgia mundial recriado pelo escritor Mário Cláudio.

A televisão e o cinema têm tido, também, um lugar muito especial na sua vida. No cinema, participou em longas, médias e curtas-metragens, entre as quais se destacam os filmes “Uma relação fiel e verdadeira” de Margarida Gil, “Intermitências”, “Estado de graça” e “Quando eu morrer”, estes três últimos exibidos no Fantasporto. Foi protagonista em “Chá da noite” de Luís Moya e parte do elenco das séries “Triângulo Jota” e “Lendas de Portugal”. A sua interpretação em “Intermitências” valeu-lhe uma nomeação honrosa.
Apesar de aposentada, continuou a dedicar-se à formação de caracterização em escolas, coletividades e na Federação Portuguesa de Teatro.

É membro da Academia de Letras e Artes Lusófonas (ACLAL).
No contexto do mundo do teatro, da literatura, da poesia e das artes plásticas, tem sido convidada para inúmeros projetos, em vários locais do país, como divulgadora e declamadora.
Participou em vários peças de teatro, filmes e em televisão

Na “XII Edição do Concurso Nacional de Teatro de 2016 recebeu o Prémio Prestígio Personalidade Fundação INATEL 2016.

Galardão entregue no dia 12 de Março, na Gala de Encerramento do Concurso Nacional de Teatro de Póvoa de Lanhoso, pela Vice-Presidente da Fundação INATEL a actriz Inês de Medeiros.

3.05

SPIRIT OF VIOLIN, Vladimir Omeltchenko

A Macaréu vai acolher no próximo dia 3 de Maio às 21h uma iniciativa “navegante” no Mundo do Violino.

Será apresentado um CD “SPIRIT OF VIOLIN” do músico Vladimir Omeltchenko que gravou o disco em duas vertentes – a tocar Violino e a tocar Piano.

A Viagem passa pelos vários cantos do Mundo, com paragem obrigatória no Fado Português, Kalinka Russa, Canção Napolitana, Tango Argentino, Chorinho Brasileiro, Hava Nagila Judáica, Dança Húngara, Entertainer Americano e Smoke Gets In Your Eyes Internacional.

Entrada gratuita, saída com um CD!…


Vladimir Omelchenko, nasceu em 1964, em Ekaterinburg – Rússia. Iniciou os estudos musicais aos 5 anos de idade numa Escola especial musical para crianças superdotadas. Pertence à Escola Russa de Violino, acompanhado desde sempre pelo Professor Leo Mirtchin, aluno do Professor Leo Zeitlin (Professor do Conservatório de P. I. Tchaikovski, em Moscovo), que por sua vez, foi aluno do Professor Leopold Auer – o Fundador da Escola de Violino.

Paralelamente ao Violino, tem vindo a desenvolver os seus interesses e desempenho musical ao nível do Piano. À semelhança do Violino, o repertório pianístico compõe-se de um vasto leque de estilos e géneros musicais.

De formação académica, desde sempre esteve vocacionado ao alargamento da linguagem musical, desenvolvendo experiências diversificadas que passam pela Música Clássica, contemporânea, temas de filmes, jazz, standards, música ligeira e folclore.

Nesta sua viagem artística tem passado pelos mais variados eventos de índole cultural. Desde sempre, esteve ligado ao teatro, à poesia, e às demais artes.

27.04

Riosenti

Riosenti é um projecto musical nómada, com raízes latino-americanas, sediado na Alemanha.

Josué Avalos (México) e Aline Novaro (Argentina) contam a sua história em canções suaves e em sons enérgicos de sua autoria, que nos levam do sul do continente americano aos desertos do norte do México, surpreendendo-nos,  às vezes, com pinceladas sonoras inspiradas nas suas viagens pelo mundo.

Eles acompanham o seu canto com guitarra e outros instrumentos como o requinto Jarocho e o jarana do México ou o cuatro venezuelano que acentuam a sonoridade sincrética da sua proposta criativa.

Desde a sua criação em 2015, lançaram dois álbuns – Vertrauen e Raiz de vento – cujo conteúdo musical é genuíno e actual não só pelos temas abordados nas suas canções, mas pelo seu compromisso com uma estética onde a transparência do som desempenha um papel fundamental.

O seu estilo orgânico e autêntico, juntamente com a sua presença em cena, deu-lhes uma projecção em fóruns e festivais, em mais de 10 países como Alemanha, França, Argentina, México, Portugal, Croácia, Finlândia, Suíça, Espanha, Montenegro, Bélgica, Holanda e Noruega.

25.04

Canto de intervenção – antes e depois de Abril

Com Luísa Albuquerque e José Ribeiro

Neste dia de liberdade iremos cantar músicas de intervenção do antes e do pós 25 de Abril.

Fizemos uma selecção de músicas, que habitualmente são menos difundidas nesta altura de comemorações, com o objectivo de as lembrar e homenagear, dada a importância que tiveram nas lutas mais concretas do nosso Povo nestes dois períodos.

Venham e tragam outro(a) amigo(a) também!

O bar/petiscaria abre às 20h para quem quiser jantar. É só baterem à porta vermelha!

24.04

Concerto de guitarra clássica por Henrique Rocha

Atuação de guitarra clássica alusiva a estudos clássicos desde Francisco Tárrega a Isac Albeniz.

11.04

6.04

Culto-Cilcuito – encontro de música improvisada

Depois do Festival Culto-Cilcuito em Fevereiro de 2019, mais um encontro organizado pela Culto-Cilcuito dedicado à música improvisada, desta vez com um Concerto da “The Free Jazz Company” (Paulo Alexandre Jorge – sax, Ulisses Teixeira – guitarra, José Pereira – bateria, João Magalhães – electrónicas).
Na Macaréu (Rua João das Regras, 151 Porto), pelas 21.30h
Entrada: 3 euros 

O bar/ petiscaria abre às 20h – é só bater à porta vermelha!

5.04

Grupo de Cavaquinhos de Paranhos

O Grupo de Cavaquinhos de Paranhos nasce oficialmente em 2016-11-07 com o apoio e vontades do executivo da Junta de Freguesia de Paranhos e de Alexandre Meireles, um “Paranhense”, e tocador do instrumento.
Formou-se de imediato a “Escola de Cavaquinho” e, ao fim de 6 meses, actuaram em público pela primeira vez, com músicas do Cancioneiro Popular Tradicional Português.
Temos por missão trabalhar para a divulgação do nosso património musical tradicional e do nome da nossa Freguesia.

O bar/ petiscaria abre às 20h – é só bater à porta vermelha!

31.03

O Coro da Junta de União de Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, S. Nicolau e Vitória, vai Gravar o seu 5º CD – PRIMAVERA- com direcção de José Flávio Martins – No Próximo Domingo 31 de Março, a partir das 17h, na MACARÉU – Associação cultural

Estão convidados a acarinhar este momento tão importante na vida deste coro – para assistir, é só bater à porta vermelha da R. João das Regras, 151 – Porto

O Bar estará aberto, com bolos e bebidas a partir das 16h

30.03

Concerto com os D’castro, no próximo sábado, dia 30 de Março, pelas 21h. Trazem consigo standards de jazz.

Hilário Castro – Vibrafone
Pedro Molina – Contrabaixo
Eduardo Dias – Bateria

Entrada – 3 Castros

Abrimos às 20h.

29.03

Jantar (vegetariano) ao som do trompete de Nuno Santos Silva!
O jantar será servido entre as 20h e as 22h.

Nuno Santos Silva desenvolve em 2012 o seu projecto a solo: “LIVE ACT” – Improvisação de Trompete com diversos temas nomeadamente: Baladas, Jazz, Bossa Nova, Swing, Mix, Frank Sinatra, Comercial e Pop.

Abertura da MACARÉU: 21-24 Março

Dia 21

18.00h: Apresentação do Projecto MACARÉU

18.30h: Inauguração das exposições de pintura (Nuno Jorge) e fotografia (Fernando Rodrigues)

This image has an empty alt attribute; its file name is image.png
This image has an empty alt attribute; its file name is image-1.png

19.00h: A palavra, poesia por Aurora Gaia intercalada pelo som do violino de Vladimir Omeltchenko

20.30h: Movimento Gaio

A associação Movimento Gaio, foi criada para proteger e restauraras nossas florestas nativas. Gostaríamos de vos apresentar a ideia da nossa campanha de sementeiras, plantações, educação ambiental, vigilância florestal e a visão que a originou.
A nossa intenção é regenerar um movimento cultural que cuide das nossas florestas. Primeiro, dando o exemplo através da experiência adquirida no nosso projecto na Serra da Freita, Semear Vida em Sítios Desertificados, onde estamos à 6 anos a trabalhar nos Baldios da Ameixieira e Albergaria da Serra a reflorestar 18 hectares antes e depois do grande incêndio de 2016. Um modelo de gestão florestal social e auto‐gerido que está a começar a dar frutos tanto na paisagem como na consciência colectiva global.

Trabalhamos com o Agrupamento de Escolas de Arouca, com oficinas de bolas de sementes florestais. Organizamos anualmente, desde há 5 anos, um campo ambiental de julho a final de outubro, cujo objetivo é realizar vigilância florestal na Serra da Freita, que pelo histórico dos incêndios e pelo valor florestal, é considerada como zona crítica, com potencial de perigo de incêndio.

Como uma das nossas maiores preocupações é o ecossistema e o nosso meio envolvente, gostariamos de vos a participar nos nossos eventos de voluntariado ligados à proteção da Natureza.
Assim acreditamos que a nossa associação Movimento Gaio apresenta várias soluções e ofertas direcionadas ao vosso objetivo de fazer o bem, pelo que gostariamos de propor uma parceria, de modo a aproximar, sensibilizar e englobar os jovens para a nossa Floresta Comum.

22.30h: Recital de poesia/conto e música: Contar histórias & outras histórias com Ana Celeste Ferreira (cantora, diseur) e Ricardo Caló (pianista)

Será uma das mais antigas e perpetuadas atividades humanas, esta de contar e ouvir histórias. Se antes da escrita, e também depois, foi a transmissão de acontecimentos o seu principal papel, hoje as histórias descobrem-nos o mundo, através dos conflitos, dos impasses, das soluções e das verdades várias que nos mostram dos outros.

Através de narrativas em prosa ou em verso de Afonso Cruz, Adília Lopes, Valter Hugo Mãe, Ana Luísa Amaral, José Miguel Silva, Mário Henrique-Leiria, entre outros, e de um piano com canções a condizer, Ana Celeste Ferreira e Ricardo Caló contam-nos alguns desses caminhos percorridos por alguns outros, que passam assim a ser um pouco de nós.

Porque precisamos de outras histórias para organizarmos a nossa.

Dia 22

19.00h: Canto da Macaréu

O encontro com as melodias tradicionais de um povo e com os cantares de intervenção é sempre uma união natural com os mais íntimos e genuínos  princípios de carácter e de humanidade. O Canto à procura de nome, atual Canto da Macaréu, transporta nas vozes a procura desta identidade que agora partilha.

Texto de Isabel Andrade Silva

20.30h: Artes circenses: Troca tintas e LATTUGAS

Caganita é um jovem maestro, com a cabeça cheia de sonhos para o seu grande concerto com Fritz, um músico prático e moderno que prefere levar a vida a ignorar as diferenças entre si…

Interpretação – Ana Palhares e Jorge Freitas

Cenografia – Hugo Ribeiro

Figurinos – Ana Palhares

——–

Este projeto surge da vontade de concretizar, através do trabalho autêntico e inocente do palhaço, a tomada de consciência das pessoas para a falta de valores da sociedade, em que as pessoas procuram ser mais do que os outros.

Os valores que cada um de nós escolhe, determina o que somos ou o que queremos ser. Assim, neste mundo em que vivemos, repleto de incertezas, valores como a honestidade, a entreajuda e a amizade revelam-se universais e inquestionáveis.


Lattugas é um espetáculo, que divertidamente nos leva a refletir sobre o ciclo da vida e as escolhas que todo o indivíduo é obrigado a fazer ao longo dela.

Intérpretes: 

Ilva Otero / Catarina Vaz

Int. Musical:

Rita Só / Sofia Mestre

Figurinos: Coletiva

Produtora Executiva: Coletiva


A escolha da linguagem corporal apropria-se da figura do palhaço e cria situações que vão construindo uma história poética. Fala-se de renascimentos e esperanças, alegrias e perigos, criação e transformação maioritariamente, numa linguagem construída na hora ou através de onomatopeias.

A história de duas alfaces, numa eterna busca pelo ciclo perfeito da vida.

É preciso amar…amar ….sem destino, sem final!

22.30h: As mulheres de Padre António Vieira

Direcção: Paulo A. Jorge

Música de António Teixeira ( sec. XVIII)

Interpretação: Ensemble Carl Orff

(Inês Monteiro, Ana Isabel Pereira, Mafalda Fonseca, GilbertoTeixeira,  Afonso Bonito, João Reis, Beatriz Correia, Margarida Fonseca)

Dia 23

16.00h: Os Burricos

18.00h: Teatro: Autoestrada 27

Dramaturgia Jorge Eusébio e Simão Freitas

Encenação Teresa Faria

Interpretação Teresa Faria

Sinopse

Primeiro, cozinha-se uma juventude perdida aos 19, condimentada por uma gravidez fora de tempo. Depois da dor estar bem cozida, é tempo de retirar e cozer uma traição, falsos amigos, bebedeiras e uma vida tudo menos picante. Depois, é juntar-lhe uma pitada de portugalidade e está pronto a servir, numa travessa adornada com frustração, tristeza e revolta reprimida. E pronto, está montado o cozido bem português, recheado dos ingredientes que condimentam a vida de Lara, uma jovem mãe numa família de classe baixa agrilhoada e derrotada por uma sociedade presa a costumes do século passado.

19.30h: Excertos de Medeia (de Mário Cláudio) com Aurora Gaia

20.30: Canto lírico com Mário Ferreira e Ana Leonardo (piano)

Continuando com a festa de inauguração da Macaréu, Mário Ferreira (tenor) e Ana Leonardo (pianista) apresentam algumas peças que mostram a variedade de estilos e línguas, que vão desde Bach (latim) à ópera francesa e italiana, passando pela canção espanhola e napolitana.

21.30h: Performance Ifting Split #7 (Ícaro Pintor com Francisco Santos)

Dia 24

16.00h: Documentário Rivers and Tides, de Thomas Riedelsheimer (sobre o escultor Andy Goldsworthy), seguido de conversa com Sousa Pereira (escultor)

18.30h: Duo de eufónio e performer