Programa

27.03.21

Dia Internacional do Teatro

Falar sobre a importância do Teatro é sempre difícil por dois motivos: o primeiro porque tecer considerações sobre uma arte com séculos de história é um exercício difícil e o segundo porque muito do que torna o Teatro especial na sua essência não é fácil de descrever. García Lorca disse que “O Teatro é poesia que sai do livro e se faz Humana” e é com este pensamento que julgo ser importante desenvolver a arte teatral.O Teatro é um bonito, importante e especial lugar de encontros. O encontro entre os seus fazedores na busca de novos entendimentos da vida, de novas narrativas, de perspetivas diferentes do ser humano e de novas reflexões e o encontro primordial que dá sentido ao fazer teatral, a partilha com o público nesse momento tão especial, tão sagrado, que é o momento do espectáculo de teatro.

Urge, e especialmente num momento tão conturbado, partilhar, reflectir e procurar novos caminhos tornando a comunhão entre criadores e público mais rica e mais vital, dando mais sentido ao quotidiano de cada um.

Gostaria de agradecer à Macaréu – Associação Cultural o ter-me aberto a porta para poder sonhar, reflectir e contar novas histórias.

O Clube de Teatro da Macaréu irá estrear em Maio “As Espingardas da Senhora Carrar” de Bertolt Brecht, acolher o espectáculo “Para não morrer assim, à vista de um sol assim” – Projecto Solidão, apresentar o primeiro espectáculo do projecto Porto Theatre Forum – Drama Club intitulado “A Chegada/The Arrival” e, por fim, a estreia de “A Voz Humana” de Jean Cocteau.


Emanuel Rodrigues

Fotografia de Clara Pimenta do Vale

21.03

Hoje, dia 21 de Março, comemora-se o Dia Mundial da Poesia, da Árvore ou da Floresta, o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial e o da Síndrome de Down….e também o dia de nascimento da Macaréu!

Macaréu – associação cultural completa hoje dois anos de existência – e porque a vida continua, junta-se ao Movimento Gaio na Serra da Freita para celebrar este dia tão simbólico com a acção de manutenção da plantação dos Seixos Brancos.

Um belo dia de Primavera para tod@s!

“Três amig@s”,trio de carvalhos no Planalto do Junqueiro – Serra da Freita.

Foto e título da autoria de Teresa Markowsky.

Em jeito de balanço…

O ano de 2020, marcado pela incerteza, que sublinhou a vulnerabilidade dos seres humanos e confrontou o modus operandi das sociedades mais desenvolvidas, está prestes a terminar. É tempo de fazer balanço…

Foi neste ano atípico que Macaréu – associação cultural completou um ano de existência em 21 de Março, em pleno confinamento.

Antes, além das diferentes actividades e eventos culturais, estreitamos laços e recebemos algumas organizações que realizaram as suas propostas, conversas e debates abertos ao público na Macaréu sobre temas actuais tais como as mudanças climáticas – que esperemos faça parte, em primeiro plano, da agenda de todos os países do mundo. Depois, encerramos a porta a 13 de Março e reabrimos em final de Junho, no S. João com um pequeno convívio ao ar livre no nosso jardim, já com as novas regras, as quais implicaram também a redução a um terço das pessoas que assistem a espectáculos e outros eventos na associação.

Lenta e progressivamente temos continuado e adaptado a nossa programação aos novos tempos que todos vivemos, sempre tendo em atenção a segurança de quem frequenta a associação.

Num outro ritmo, continuamos a realizar exposições, a apresentar concertos e peças de teatro e a receber variadas propostas de projectos do exterior. Algumas das nossas actividades regulares foram temporariamente suspensas mas outras começaram ou irão brevemente ter início, sempre em conformidade com as condições sanitárias que vierem a ser decretadas.

Apesar de toda a contingência, podemos dizer que o balanço deste ano foi positivo, mas desejamos que o próximo ano seja francamente melhor para a Macaréu e para tod@s vós.

Brevemente serão anunciadas novas actividades e eventos para 2021.

Toda a programação pode ser consultada nesta página ou em: https://www.facebook.com/Macar%C3%A9uAssocia%C3%A7%C3%A3oCultural989860331219583/

15 e 16.12

19.00h

Concertos comemorativos do 250º Aniversário de Ludwig Van Beethoven

Sonatas Nº 5, 7 e 9 para Violino e Piano

Vladimir Omeltchenko – Violino

Patrick de Hooghe – Piano

Sinopse:

Os Concertos comemorativos em celebração do 250º Aniversário do Ludwig Van Beethoven serão compostos por três obras-primas, as Sonatas Nº 5, 7 e 9 para Violino e Piano.

A Sonata Nº 5, Opus 24, conhecida por “Primavera”, foi composta em 1801 e dedicada ao Conde Moritz de Fries. 

A Sonata Nº 7, Opus 30, foi composta entre 1801 e 1802 e dedicada ao Czar da Rússia Alexandr I.

A Sonata Nº 9, baptizada com o nome “Kreutzer-Sonata”, foi dedicada ao violinista francês Rodolphe Kreutzer e estreada em 24 de Maio de 1803. 

O Duo de Violino e Piano “Vladimir & Patrick” para além de espectáculos no estrangeiro, já teve actuações em Portugal, nomeadamente no Porto e em São João da Madeira.

O Duo representa um encontro de duas Escolas de Música mundiais: a pianística Belga/Francesa, no caso do Patrick de Hooghe e a violinística Russa, no caso do Vladimir Omeltchenko. Conheceram-se ainda em 1995 na Rússia, quando Patrick de Hooghe fazia digressão pelo país e tocou a solo com a Orquestra Sinfónica dos Urais. Posteriormente tiveram uma colaboração na Europa: em França e Bélgica. Com o passar dos anos, entre manter e perder o contacto, voltaram a encontrar-se e chegaram à formação deste Duo, cada um com sua vasta experiência solística internacional.

PROGRAMA

15 de Dezembro de 2020

1)    Ludwig Van Beethoven, Sonata Nº 5 para Violino e Piano, Op. 24, F-dur

      “Spring Sonata” /  “Frühlingssonate”

       Andamento I: Allegro

       Andamento II: Adagio molto espressivo

       Andamento III: Scherzo, Allegro molto 

       Andamento IV: Rondo, Allegro ma non troppo

       2) Ludwig Van Beethoven, Sonata Nº 7 para Violino e Piano, Op. 30, C-moll

       Andamento I: Allegro con brio

       Andamento II: Adagio cantabile

       Andamento III: Scherzo, Allegro

       Andamento IV: Finale, Allegro – Presto

PROGRAMA

16 de Dezembro de 2020

1)    Ludwig Van Beethoven, Sonata Nº 5 para Violino e Piano, Op. 24, F-dur

      “Spring Sonata” /  “Frühlingssonate”

       Andamento I: Allegro

       Andamento II: Adagio molto espressivo

       Andamento III: Scherzo, Allegro molto 

       Andamento IV: Rondo, Allegro ma non troppo

2)    Ludwig Van Beethoven, Sonata Nº 9 para Violino e Piano, Op. 47, A-dur

“Kreutzer-Sonata”

Andamento I: Adagio sostenuto – Presto

Andamento II: Andante con variazioni

Andamento III: Presto

11.12

Às 19.00h

Concerto do ensemble Leyriath

O ensemble Leyriath apresenta uma actuação sem precedentes que combina narração de histórias lendárias com Música Antiga ao vivo.

As histórias são declamadas ao tom dos trovadores e bardos medievais, com uma identidade fantástica única. Escritas pelo alaudista e narrador do ensemble, têm a sua inspiração na própria música que o grupo interpreta. O repertório consiste numa colecção de música do início do Renascimento na Península Ibérica, e de Cantigas de Santa Maria (canções medievais galegas), sendo interpretado por músicos especializados em Música Antiga, com instrumentos construídos com base em modelos históricos (como o alaúde, a vielle, e algumas percussões).

Neste ritual mágico de palavras e música, o público poderá seguir as visões de Nunium, o Feiticeiro de Leyriath; bardo que viaja pelo mundo com os seus fiéis companheiros, para dar a conhecer ao mundo as histórias de fortuna e desgraça do seu maravilhoso reino. A música dos bardos de Leyriath permitirá portanto que o público vislumbre o reino de prata e safira de Leyriath, conhecendo os seus seres místicos e poderosos heróis, assim como encontrar Liseade, a musa de inspiração de Nunium.

Membros de Ensemble Leyriath:

Ricardo Alves Pereira (oud, narração)

Esin Yardimli Alves Pereira (vielle)

Isabel Martinez (percussão)


Para mais  informações: 

https://www.facebook.com/Leyriath


Lotação limitada. 6 macaréus à entrada. Reservas através de macaréu.porto@gmail.com


Leyriath Ensemble presents an unprecedented performance that combines legendary storytelling with live Early Music.

The stories are recited in the tone of medieval troubadours and bards, with a unique fantastical identity. Written by the ensemble’s lute player and narrator, they are inspired by the group’s own music. The repertoire consists of a collection of music from the beginning of the Renaissance in the Iberian Peninsula, and Cantigas de Santa Maria (medieval Galician songs), being performed by musicians specialised in Early Music, with instruments built based on historical models (such as the lute, the vielle, and some percussion instruments).

In this magical ritual of words and music, the audience will be able to follow the visions of Nunium, the Wizard of Leyriath; bard who travels the world with his loyal companions, to bring the stories of fortune and misfortune of his marvellous realm. The music of Leyriath’s bards will therefore allow the public to glimpse Leyriath’s kingdom of silver and sapphire, meeting its mystical beings and powerful heroes, as well as meeting Liseade, Nunium’s muse of inspiration.


Members of Leyriath Ensemble:
Ricardo Alves Pereira (oud, narration)

Esin Yardimli Alves Pereira (vielle)

Isabel Martinez (percussion)


For more information: 

https://www.facebook.com/Leyriath

13.11

Às 21.00h

Concerto com Sérgio Vieira e Fábio Pereira

Neste encontro, Sérgio Vieira (bateria) e Fábio Pereira (guitarra) apresentam um concerto onde o foco é interação jazzística.

Amigos e parceiros de trabalho, Fábio e Sérgio tocam temas standard do repertório jazzístico americano, mas de forma muito particular, deixando a improvisação ditar as regras e criar os ambientes e atmosferas sonoras. 

31.10

Às 20.30h

Jantar | Dia das Bruxas . Halloween

Na Macaréu vamos festejar o Dia das Bruxas | Halloween, com um jantar à luz das velas… 

Os convivas serão distribuídos pelas quatro salas disponíveis e encorajados a vir com indumentária, ou adereços, alusivos à quadra. 

Haverá um desfile com todos os cuidados e um prémio para o vencedor.

No final, se o tempo o permitir, iremos até ao jardim comer castanhas assadas na fogueira!

lotação limitada – reservas por MP ou para  933135993.

10 macaréus

[composição com fotos de peças originais de Nuno Moutinho]

23 e 24 de Outubro

Às 21.30h

25 de Outubro

Às 16.00h

Teatro: MULHERES, a partir de Federico García Lorca

Criação: Emanuel Rodrigues

Elenco: Helmar, Olga Ferreira e Patrícia Santos

Música e voz: Yosune Borobia

Quem são as mulheres na obra de García Lorca? Em que modos e de que forma são retratadas? Neste espectáculo percorremos excertos, poemas e canções do autor espanhol. Porque “o teatro é poesia que sai do livro e se faz Humana.”

Agradecimentos: Olga Noronha, Maria das Dores e Adelina Martins 

Obrigatório o uso de máscara. Lotação reduzida. 

Duração: 45 minutos

Info e reservas: 910123438 ou macareu.porto@gmail.com

Entrada: 10 macaréus

26.09

Às 21.00h

Concerto de Joel Nachio (Guitarra Clássica & Voz) + Daniel Chaves (Percussão) 

Joel Nachio, um cantautor/poeta português que apresentará um concerto constando de um repertório de composições autorais influenciadas por sonoridades de músicas do mundo com elementos de música africana e brasileira.  

Assumindo a voz e guitarra clássica e com músicas seleccionadas do seu último álbum “Para Além do Eco”, já disponível através das plataformas digitais, e novos temas. 

Contando com concertos pela Alemanha, República Checa, Eslováquia, Polónia, Lituânia, Letónia para além do território nacional e passando por músicas autorais patentes no álbum somos saudados com uma celebração de música do mundo inspirada por MPB, samba e bossa-nova.  

25.09

Às 18.30h


Apresentação do livro O fogo do coração de Peter Bampton

Sinopse:

Junta-te ao mestre espiritual e co-fundador do Awakened Life Project (Projecto Vida Desperta), Peter Bampton, numa exploração na imediatez radical e no potencial evolucionário do seu livro agora lançado em português O Fogo do Coração, uma abordagem ao Despertar Espiritual que é directa, contemporânea e integral na sua compreensão da condição humana. Cópias estarão disponíveis no evento.  

Peter Bampton estudou Literatura Inglesa em Londres e, inspirado pelo seu desejo de liberdade espiritual, passou vários anos a viajar pelo mundo. Participou em diversos retiros de meditação e quase se tornou monge budista. A sua trajetória levou-o a conhecer diversos professores e a integrar comunidades espirituais, tradicionais e contemporâneas. Em 2007, Peter e a sua parceira, Cynthia, compraram uma quinta abandonada no centro de Portugal, a Quinta da Mizarela, e cofundaram o Awakened Life Project. 

Além de ser um guia espiritual para a crescente rede de estudantes internacionais envolvidos no Awakened Life Project, Peter dá retiros e cursos que catalisam o Despertar para a radical imediatez da Liberdade, aqui e agora, e facilita a tarefa transformativa de incorporar esta verdade na vida quotidiana. 

Outros dos seus interesses incluem tocar blues na guitarra, praticar qigong, fazer caminhadas pelos trilhos que rodeiam a Quinta da Mizarela, apanhar verduras selvagens, expor as mentiras que nos foram ditas sobre praticamente tudo, e uma boa chávena de chá.

11.09.20

Às 21.30h

Dream Metaphor: NAM CO

Sinopse:


Nam Co é a uma das mais recentes criações do Colectivo Artístico Dream Metaphor. Uma

viagem sonora pelas margens e pelas profundezas do lago Nam Co, no Tibete.

Perto de um terço da população do mundo depende do fornecimento de água do planalto tibetano, o desenvolvimento futuro das monções neste planalto terá um grande impacto social. Nam Co representa um dos maiores e mais profundos lagos do planalto tibetano.

Nam Co, o Lago Celestial, é a fonte de inspiração nesta viagem meditativa, de contornos étnicos e etéreos, dedicada a este elemento que é fonte de vida: a Água.

Ficha artística:


Composição e interpretação: Cláudia Pinto (shruti box e pequenas percussões), Leonel

Ranção (Percussões) e Ricardo Canedo (Tarang e percussões)

Criação e produção: Dream Metaphor

Todos os sábados de Agosto

Às 22.00h

Tão Estranhamente Eu

Teatro Aramá

Sinopse

A diversidade de personalidades oferecidas pelo poeta Fernando Pessoa através dos seus heterónimos, permite uma leitura sobre a complexidade da sua obra e inevitavelmente do seu “EU”.

O espetáculo aventura-se numa interpretação, evidentemente particularizada; não excluindo, no entanto, a contaminação de diferentes leituras e interpretações sobre o autor e a sua obra, ortónima e heterónima, em que se procura atingir alguns dos traços mais marcantes de cada uma destas personalidades. Porém, a escolha dos textos, na integra ou parciais, direciona-se, de modo mais evidente, para contextos em que o corpo, o género, os afetos, a sensualidade, e a distante infância sobressaem,  sem no entanto deixar de revelar outras faces de um “Eu múltiplo” – de um “Eu” que é tantos outros.

Tão Estranhamente Eu é um espetáculo que se alimenta de dramas de personagens que nascem e se definem na fonte da mais bela poesia, e dela fazem a sua linguagem, o seu modo de comunicar e de exprimir a sua humanidade; pois é no conhecimento da dimensão e profundidade humanas que o poeta criador (de tantos outros) se atinge em pleno.

Tão Estranhamente Eu teve a sua estreia em 2011 no Teatro Rivoli. Recentemente o Aramá «estreou» uma nova versão do espetáculo, que privilegia  a sua adaptação a  diferentes espaços: salas de espetáculos, café-concerto,  monumentos, museus, galerias, espaços ao ar livre: jardins,  anfiteatros,  claustros e/ou outros espaços propícios.    

23 e 24.07

Às 19.00h

MONO – TEATRO – TIAGO SINES: A morte de Bunny Munro

O evangelho segundo S. Marcos 11–16 Durante a última semana de Sua vida, o Salvador entra em Jerusalém, ensina a Seus discípulos, sofre no Getsêmani e é crucificado. Jesus Cristo ressuscita.

O macho é completamente egocêntrico, fechado em si próprio, incapaz de ter empatia ou de identificar-se com os outros, incapaz de sentir amor, amizade, afeto ou ternura. É um elemento completamente isolado, inepto para relacionar-se com alguém. Suas reações não são cerebrais, mas totalmente viscerais; sua inteligência só lhe serve como instrumento para satisfazer seus impulsos e suas necessidades; é incapaz de experimentar as paixões mentais, as interações mentais; ele não consegue se relacionar com nada além de suas próprias sensações físicas.- SCUM Manifesto

Ciclo de Performances a Solo 

MONO – MÚSICA – Evento Tbt acústico

Isadora Rinelle

15 e 22 Julho, às 19.00h

Isadora Rinelle artista há mais de 20 anos: palhaça, malabarista, atriz e cantora.
Repertório em formato acústico com releituras variadas que viajam do rock, pop, jazz, anos 60’s 70’s 80’s e 90’s

Ciclo de Performances a Solo 

MONO – DANÇA – OPHELIA Filipa Duarte

18 e 19 de Julho – 19:00

Ophelia, “the woman with the sliced arteries”, é uma viagem por entre relacionamentos. Coloca o corpo físico em confronto com o emocional, deslizando entre vítima e vingador, transformando a solidão em solitude. Ophelia,“the woman with her head in the gas oven”, um manifesto do corpo, de pertença, abuso, sexo e morte, que procura reescrever as memórias de vidas cruzadas, redescobrir a sexualidade do indivíduo e, dessa forma, entender o significado da identidade feminina de hoje.

Ciclo de Performances a Solo 

MONO – TEATRO/CLOWN – IN_REFLEXO

Dalila LaMour

16 e 17 de Julho – 19:00

In_Reflexo é um convite à reflexão acerca da construção social do género feminino na nossa sociedade e do que nos é apresentado principalmente pelos media e por normas de conduta que foram historicamente construídas, bem como a erotização do género feminino desde a infância.

ZiggyFrida é uma palhaça alegre e sonhadora que está em fase de desenvolvimento. Um dia, ela encontra uma caixa com muitos objectos. Seria um presente para ela? Curiosa como todas as meninas e como todas as palhaças, ela decide experimentar tudo o que encontra dentro. O que está ZiggyFrida a descobrir? A palhaça mergulha em novas descobertas do que lhe é apresentado como “o mundo feminino”. 

Porém, o que ela não sabe é o quanto essas novas experiências vão mudar o seu 

comportamento e a imagem que ela tem de si mesma, fazendo com que ela 

queira se tornar algo que ela não é. 

Essas novas experimentações vão lhe provocando sensações e descobertas

diversas que a levam a ficar obcecada com a questão da beleza, até que ela se 

depara com um objeto que a faz parar e refletir. 

O que é que ela vê agora? O que é que esse objecto reflete?

Entre encantamentos e estranhamente, ZiggyFrida é levada a indagar-se a si 

mesma sobre quem ela é agora, ao mesmo tempo em que nos convida a refletir sobre alguns estereótipos de beleza que nos são apresentados e como muitas vezes nos distanciamos de nossa essência ao tentarmos  encaixar-nos nesses modelos.

MONO – CICLO DE PERFORMANCES A SOLO

15-26 Julho, às 19.00h

Produção e coordenação de Emanuel Rodrigues

O projecto MONO – CICLO DE PERFORMANCES A SOLO pretende dar lugar ao trabalho a solo de artistas da música, do teatro e da dança. Porquê trabalhar a solo? Quais os desafios? Qual a relação do artista com a obra? Estas são algumas das questões que o projecto pretende discutir.

Distância de segurança entre o performer e o público. Obrigatório o uso de máscara.
Higienização do espaço após cada espectáculo.

NOTA: O projecto havia sido pensado para Março de 2020 e ganhou assim uma nova forma dadas as circunstâncias do ano que atravessamos em que muitos artistas viram os seus trabalhos cancelados e em muitos casos onde não é possível conjugar questões de saúde pública com o exercício da actividade.

Lotação limitada a 20 lugares com distância entre cadeiras. Reserva obrigatória.

Bilhete: 8 macaréus.
O espectador pode escolher jantar após o espectáculo com marcação prévia.

Informações e reservas: 910123438 ou macareu.porto@gmail.com https://www.facebook.com/events/707280680060341?active_tab=about

23.06

20.00h

S. João na Macaréu!

Macaréu – associação cultural vai reabrir a porta ao fim da tarde de 23 de Junho, data consagrada à típica noite de S. João na cidade do Porto.

Numa noite de santos populares diferente, sem os tradicionais arraiais e marchas de rua, venha até à Macaréu para um agradável jantar-convívio no jardim.

O jantar vegetariano será servido a partir das 20:00h (caldo verde c/ broa, bifanas, espetadas veggie, pleurotos e pimentos assados, batatas cozidas e na brasa, sangria, cheese cake…)

As reservas deverão sei feitas por MP ou no mail da Macaréu (macareu.porto@gmail.com) até às 24.00h de Domingo, 21 de Junho. Lotação limitada.

NOTA: Estarão afixados à entrada da associação os procedimentos a ter dentro da mesma sabendo de antemão que teremos a vossa compreensão.

REABERTURA

Arte e os Artistas têm que viver!

É tempo de (re)inventar e (re)criar novos modos de estar em comunidade! A cultura é, também, isso – interacção e recriação…

Macaréu – Associação Cultural, imbuída desse espírito,  propõe-se reabrir brevemente, em data a anunciar, agora com o logótipo vencedor, da autoria de Epositiva – creative solutions à qual muito agradecemos.

As vossas propostas, ideias e sugestões serão bem vindas!

Estarão afixados à entrada da associação os procedimentos a ter dentro da mesma, sabendo de antemão que teremos a vossa compreensão.

NOTA: Atendendo às restrições quanto ao número de pessoas que a Macaréu albergará em cada evento, solicita-se a reserva prévia através do FB ou mail da Macaréu. Cada iniciativa terá as suas condições, que serão anunciadas aquando da criação e divulgação dos eventos. Cada espectáculo terá a sua própria bilheteira.

Olhar Poesia

No primeiro domingo de cada mês, pelas 16:30 horas, na Macaréu.

Trazer o rosto aberto,


Em português correcto.

Se quer participar nesta nova rubrica da Macaréu e mergulhar nas águas de Calíope, por favor inscreva-se, sem qualquer custo, em: macareu.porto@gmail.com

Serão avisados logo que tenha data marcada a primeira sessão.

Fotografia de Shannon VanDenHeuvel on https://unsplash.com/@shannonnicolevandy

Em dia de aniversário….

Hoje, 21 de Março, comemora-se o Dia Mundial da Poesia, da Árvore ou da Floresta, o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial e o da Síndrome de Down.

Macaréu – Associação Cultural completa um ano de existência desde a sua abertura oficial em 21 de Março de 2019. E, porque valores mais altos se levantam, as celebrações terão de ser adiadas e a sagração da Primavera terá de ser feita das nossas casas…

Foi um ano rico de desafios, muito participativo, também de algumas polémicas entretanto sanadas, de ajustes necessários ao crescimento e construção de uma identidade, com um balanço muito positivo. Conseguimos  criar as nossas rubricas regulares com participantes fieis sem descurar ter mantido a porta aberta ao exterior e às numerosas propostas recebidas quer nacionais quer estrangeiras. O lema da Macaréu é o equilíbrio entre o que entra e o que sai, o exterior e o interior, o pequeno e o grande, a fusão e a remodelação…

Contudo, podemos e devemos fazer mais, muito mais! E, nesse sentido, este ano pretendemos  alargar e reforçar a nossa interacção com outras associações e instituições de foro cultural, ambiental e de solidariedade social. Pretendemos continuar a construção com o nosso crescimento interno e afirmação, mas mantendo a abertura a todos quantos quiserem apresentar seus projectos e iniciativas na Macaréu.

Macaréu, onda poderosa, contra a corrente, contagiante, única e transformadora…  Assim se quer este novo Lugar de expressão cultural e de afirmação de cidadania responsável e activa.

Até breve!

14.03

Às 21.30hCANCELADO

Concerto de guitarra clássica de oito cordas, com Martin Spyyd Prydal

A guitarra clássica, conhecida no Brasil como violão é uma guitarra acústica com cordas de nylon ou aço, concebida inicialmente para interpretação de peças de música erudita. O corpo é oco e chato, em forma de oito e feito por um luthier, em diferentes madeiras. O braço é dividido por trastes que a tornam um instrumento temperado. As versões mais comuns têm 6 cordas, mas podem também ter 7, 8 ou mais…

Martin Spyyd Prydal, estudante Erasmus da República Checa, está de novo no Porto, recém- regressado do Brasil e trouxe com ele uma nova guitarra/ violão de 8 cordas que apresentará na Macaréu no sábado, dia 14 de março, pelas 21:30h.

14.04

Às 15.30hCANCELADO

Apresentação do livro Sentimentos da Alma, de Rosa Resende, editado pela Modocromia.

Rosa Resende é natural da Póvoa de Varzim onde reside.
Na vida, destaca as emoções, sensações, sentimentos, estados de alma aos quais dá expressão através da escrita, da pintura e do desenho.
Decorrente da sua natureza sensível e intensa, encontra no sentimento Amor, a inspiração para escrever o que lhe vai na alma.
Do percurso literário fazem parte duas Antologias Poetas d’hoje do Grupo de Poesia da Beira Ria | Aveiro, e, três Antologias de Logos Fénix (www.carmovasconcelos-fenix.org/LOGOS/PAZ-2018/PAZ-2018.htm).
O trabalho poético e individual da sua autoria pode ser acompanhado nas páginas: www.facebook.com/Sentimentos-da-Alma-583438611769671/
www.facebook.com/Momentos-Sentidos-1870522973224961/
www.facebook.com/Meus-Pensamentos-698410440259782/
Sentimentos da Alma é o primeiro livro de poesia editado pela autora.
 

8.03

Às 18.00h

No dia da Mulher, com Helena Cardoso, NUM TEMPO SEM TEMPO,

Convidada, há vários anos atrás, para o “Projecto Apoio à Mulher Rural”, assim me vi na serra a viver um quotidiano rural absolutamente novo, contactando 24h por dia com gente, bichos e paisagem, como só na minha infância, em casa dos meus avós maternos, de que ainda guardo gratas recordações.

 Ao iniciar, em meios isolados e carenciados, uma pesquisa têxtil, assumindo a inovação e recriação em saberes e formas tradicionais, não quebrando a ligação à memória que nos identifica como cultura, foi um desafio.    Porque duma ciência humana se trata, a sua experiência, qualidade e beleza destes saberes, confere-lhes, à luz das tecnologias contemporâneas, um lugar de destaque.                               Recuperar teares, reaprender artes, dar vida às escolas sem crianças, rememorar utilidades, reavivar a lembrança dos velhos, valorizando conhecimentos perdidos num tempo sem tempo, procurando uma identidade colectiva. Por último, parafraseando António Gedeão:   

“É tudo tão simples, quando se rola a flôr entre os dedos!                                                                          Os estadistas não sabem, mas nós os das flôres, para                                                                                      quem os caminhos do sonho não guardam segredos                                                                                        sabemos isso e todas as coisas que os livros não sabem!”

5.03

Às 21.00h


Macaréu recebe SHAMA – Shama Rahman Arts

“Imagine Dead Can Dance and Björk getting together in a folk club, to make jazzy trip-hop records… with sitars.” – Songwriting Magazine.

Shama Rahman was born in the United Arab Emirates, has British-Bangladeshi roots and lives in London. This melange lives and radiates in her music.

In Feb 2020 Shama releases her third studio album, ‘Let The Light In’ (NarRator Records) – as ‘Shama and Friends’.

This is a wonderfully collaborative creative endeavour with musicians from all over Europe. Composed, improvised and recorded over two years on the shores of beautiful Lake Balaton in Hungary, it features incredible instrumentalists and composers from France, Spain, Germany, Serbia, Hungary, and ofcourse the UK. Diverse in inspiration and unified in Shama’s distinctive style of cross-genre sitar-embedded multicultural sound.

“A sort of general theme in the album is going from darkness into lightness. The idea behind it is that only through dark times, where things break down, can you see the gaps through which the light can shine.” she says, inspired by Leonard Cohen.

‘Let The Light In’ will be launched in The Post Bar in London on the 29th of February, where Shama will start a tour around Spain, France, Portugal and the Netherlands.

29.02

Às 17.00h

Macaréu recebe CONVERSAS DECRESCENTISTAS:  CONVERSA #2 | FLUXOS: O FILME ACELERADO DE TUDO

Organização Rede para o Decrescimento / Núcleo do Porto

O que é o decrescimento? Esta é a interrogação fundamental em todas as Conversas. A ela vem reunir-se outra pergunta, variando esta de mês a mês, mais específica ou mais orientada: todos os meses teremos um tema diferente e convidados oriundos de outros movimentos ou horizontes, para trocarmos ideias de modo aberto e criativo. Como podemos contribuir, numa perspectiva decrescentista, para a superação dos desafios actuais, na nossa vida, na região ou no planeta?

Venham conversar. Após a tertúlia, haverá um convívio com música, comes e bebes, para começar bem a noite de sábado.

CONVERSA #2 | FLUXOS: O FILME ACELERADO DE TUDO

Houve um tempo em que o cinema mudo nos deixava assistir sentados à aceleração da vida moderna: via-se o actor burlesco ser esmagado pelos carros ou cair dos arranha-céus, sem nunca morrer ou ficar incapacitado. E tudo nos parecia ainda humano e aceitável desde que ficasse nas imagens. Mas essa fúria não ficou guardada no celulóide: as imagens aceleradas desse cinema eram apenas uma pálida antevisão dos fluxos nas nossas vidas. «Fluxo» é agora uma palavra que parece suavizar a incompreensão e o choque nas nossas existências. Hoje, somos o empregado que corre em competição com o processador, o passageiro que voa por tudo e por nada, o funcionário de armazém soterrado pela circulação de mercadorias da Amazon ou da nova Rota da Seda. E por nós passam estímulos de todo o tipo, somos atravessados por frequências electromagnéticas carregadas de nada, corremos mais e mais depressa por dentro das imagens. E o dinheiro, esse, fulmina-nos com a sua capacidade de tudo substituir ainda mais velozmente. No sábado, 29, vamos falar do filme real em que nos colocaram, dizendo-nos não haver maneira dele sair.

https://mail.google.com/mail/u/0?ik=cf8b9b361c&view=pt&search=all&permthid=thread-f%3A1659288128237618237&simpl=msg-f%3A1659288128237618237 1/2

23/02/2020 Gmail – CONVERSAS DECRESCENTISTAS #2 | FLUXOS: O FILME ACELERADO DE TUDO | 29 FEVEREIRO – PORTO

Numa perspetiva decrescentista, urge contrariar a exacerbação do movimento de coisas e pessoas. Nesta sessão, conversaremos sobre novas e antigas ideias relativas à reaproximação do trabalho ao espaço de habitação, a reaproximação do tempo psicobiológico ao tempo social, a convivência entre actividades primárias, como a agricultura, e actividades secundárias, ditas de transformação. Falaremos ainda da necessidade de romper o circuito da mundialização do comércio e das suas implicações.

CONVIDADOS

Humberto Silva | Associação Década Reversível (ADERE) e Movimento Diz Não ao Paredão (Porto de Leixões) Helena Amaro | FAUP / mobilidade e burnoutAna Pinheiro | Habitar Porto

27.02

Às 21.00h

Macaréu recebe teatro – Se vivêssemos em um lugar normal

Primeira adaptação para o teatro da obra literária homônima do escritor mexicano Juan Pablo Villalobos. Interpretada por Roberto Rodrigues, a história narra a saga de Orestes, um jovem de 13 anos, diante dos conflitos sociais que permeiam sua família e sociedade. Dentro da “caixa de sapato”, apelido que Orestes dá a casa em que vive junto com seus pais e os 6 irmãos, no morro da “Puta que pariu”, o protagonista, tenta entender sua situação económica e avaliar curso de sua própria sorte, quando ameaças reais vão desenhando a tragédia que se aproxima. De uma narrativa cómica, dinâmica e irônica, essa tragicomédia resultará numa encenação deliciosamente subversiva.

24.02

Às 21.00h

Jantar de Entrudo com Fantasma da Ópera


Pequeno recital lirico onde será interpretada, pelo Tenor MÁRIO FERREIRA
“Music of the night” do Fantasma da Ópera
Momento de Karaoke (pode trazer instrumento musical)

22.02

Às 21.00h

Porto Street Friends Night

O Friends Jazz Trio (Carlos Cepinha guitarra, Francisco Rodrigues guitarra e Daniel Toro saxofone) é um grupo espontâneo de músicos de jazz que se encontram com frequência na rua de Santa Catarina e, nesses momentos, tocam juntos. Isso acontece apenas em janeiro e fevereiro de há três anos para cá, meses em que um dos amigos, que toca numa orquestra na Alemanha, vem de férias para o Porto.

16.02

Das 12.30h às 17.00h

Com cheirinho!

No próximo dia 16 de fevereiro, teremos “Com Cheirinho”, um brunch com Cheirinho de Tango ou uma milonga com Cheirinho de Brunch!!!

Uma experiência que alia uma boa refeição, o tango e o convívio entre os participantes, num ambiente que acreditamos ser descontraído e acolhedor. Acreditamos que aliar ambas as experiências configura um valor acrescentado face a cada uma das experiências individuais. Ainda assim, se apenas quiseres experienciar uma das modalidades, tal também será possível.

Garantimos opções vegetarianas e glúten free…

Brunch e Milonga (Com Cheirinho) – 15 Tangos

Apenas Brunch – 12,5 Tangos

Apenas Milonga – 4 Tangos

Para conseguirmos que disfrutes ao máximo da nossa proposta, e para que possamos garantir um bom serviço, agradecemos que nos comuniques a tua intenção de participar no brunch, por forma a garantir que há comida suficiente para todos.

Para isso, solicitamos que faças a tua reserva através de contacto direto, com uma de nós, através de telefone ou mensagem privada, ou ainda através de dos contatos abaixo identificados, até ao próximo dia 13 de fevereiro:

Marta Moreira – martasgmoreira@gmail.com

Patrícia Santos – patmariasantos@gmail.com

Esperamos por ti!

15.02

Às 21.30h

Morte, medos, paixões – assim é a vida (e não propriamente por esta desordem)

“Bater o coração


Enquanto os pássaros batem as asas para voar,

Nós batemos o coração.”

Afonso Cruz

Um espectáculo de histórias, sons e sombras
para crianças maduras (vermelhinhas vermelhinhas, quase a cair da árvore), jovens sensíveis e adultos também.

 Direcção e Contação de Histórias – Paulo A. Jorge


Sombras – Clara Gonçalves


Música – João Magalhães

Neste espectáculo são lidos textos de Afonso Cruz (retirados do seu livro “Paz traz paz”, Companhia das Letras, 2019) e contadas as seguintes histórias:    

“El pato y la muerte”, de Wolf Erlbruch, com edição Barbara Fiore Editora, 2007;

“História para o meu filho João de cada vez que tiver medo”, retirada do livro “Pequeno livro dos medos” de Sérgio Godinho, editado pela Assírio e Alvim, 2000;

“O dia em que me tornei pássaro”, de Ingrid Chabbert, editado em 2018 pela Poets and Dragons Society.

Escutamos também os temas musicais “My Little Brown Book” de Duke Ellington e John Coltrane, “Gymnopédie n.° 3”de Erik Satie, “Atlantis” de Morton Feldman e “Blue Nile” de Alice Coltrane.

Entrada: 5 euros

15.02

Às 18.00h

Macaréu recebe sessão de esclarecimento XR

Desta vez a um sábado para quem não tem disponibilidade durante a semana!
Enfrentamos uma crise climática e ecológica!

Apesar de todos os alertas, que se repetem há mais de 30 anos, continuamos a ver uma enorme inacção para inverter esta trajectória que nos levará ao colapso civilizacional bem mais cedo do que o optimismo nos indicava.

Os cientistas dizem-nos que temos pouco mais de 11 anos para alterar quase tudo de forma a evitarmos pontos sem retorno que tornarão irreversível o caos climático.

Isto é uma emergência global sem precedentes…e precisamos de verdadeiras soluções para evitar o colapso.

Nesta apresentação pública vamos partilhar a ciência climática mais actual, discutir o ponto de situação das políticas climáticas e oferecer soluções de acordo com estudos sobre vários movimentos sociais que levaram a mudanças de grande escala, como aquela que precisamos neste momento.

Toda a gente é bem-vinda e vamos ter tempo para perguntas e comentários.

Mais informação:

https://rebellion.earth
www.facebook.com/extinctionrebellionporto/

12.02

Às 19.30h

Macaréu recebe a equipa do Porto do GNDE (Green New Deal para a Europa)

Olá amigos e amigas,

Gostaríamos de vos convidar para a nossa:

Reunião de lançamento do projeto “Assembleias Populares” in Macaréu

O nosso objetivo é transformar o Porto numa cidade que dê poder à sua população e invista no nosso futuro, que seja cautelosa quanto ao seu impacto ambiental e que se comprometa a agir de forma regenerativa.

Para alcançar este objetivo, estamos a planear organizar Assembleias Populares com a participação das pessoas do Porto para debater enquanto comunidade qual é a nossa visão comum para a cidade e qual será o nosso plano no que diz respeito às nossas lutas ambientais e sociais. Como objetivo específico, estamos a planear levar estas ideias às eleições municipais do Porto, em 2021.

A agenda desta reunião será composta por:

– Apresentação da proposta e das Assembleias Populares.

– Constituição da equipa para avançar com a organização.

A desigualdade e as alterações climáticas são ambas questões globais que precisam de ser abordadas numa mesma escala global. Os grandes fluxos de dinheiro no setor imobiliário do Porto resultam num número cada vez maior de pessoas que não conseguem pagar a renda, isto num Portugal que é o país da UE com as taxas de mortalidade mais elevadas devido às temperaturas frias. Ao mesmo tempo, os mais pobres e os mais fracos são os mais afetados pelas alterações climáticas, devido a incêndios, vagas de calor e inundações.

Uma vez que não podemos confiar na política tradicional ou na dinâmica dos mercados para defender os nossos direitos, cabe-nos agora criar um movimento suficientemente grande para mudar o status quo.

Questionando-nos sobre como avançar, decidimos que temos de começar localmente. Começar a construir uma cultura de mudança e desenvolver uma estratégia que possa crescer de apenas algumas pessoas locais para um poderoso movimento internacional.

Assim, propomos que as Eleições Municipais do Porto 2021 sejam um primeiro passo para uma mudança na política europeia. Mais especificamente, queremos ter candidatos a concorrer com ideias progressistas, que reflitam a urgência da nossa situação e as exigências dos portuenses.

Para alcançar este objetivo, queremos mobilizar ativistas que já lutam há muitos anos e, sobretudo, para que possamos realmente fazer a diferença, queremos chegar àquelas pessoas que normalmente não estão incluídas no discurso político. Isto inclui pessoas da classe trabalhadora, migrantes, pessoas socialmente desfavorecidas, entre muitas outras. E temos de encarar isto como um pré-requisito para que possamos organizar uma mudança significativa.

O aspeto chave da nossa proposta é a criação das chamadas Assembleias Populares. Nessas assembleias, os portuenses terão a oportunidade de desenvolver políticas e ideias para a cidade, juntamente com especialistas em meio ambiente, sindicatos e cientistas.

Para fazer das assembleias populares um sucesso, acreditamos que temos de abordar as pessoas no Porto cara a cara. Isto significa que temos de falar diretamente com as nossas famílias e amigos, bem como bater às portas e convidar as pessoas a participar.

Esperamos ter como resultado das assembleias populares um conjunto de propostas políticas, as quais iremos incentivar que candidatos às eleições municipais adotem como parte do seu programa. Outra opção será o apoio a alguém que se tenha envolvido neste processo e que se voluntaria para concorrer como candidato.

Para iniciar este projeto estamos a planear reunir uma variedade de movimentos locais, ONGs, especialistas e pessoas do Porto para uma reunião de lançamento para apresentar a nossa ideia.

Esperamos que aceitem o desafio e se juntem a este movimento porque só com a contribuição de cada um de nós podemos transformar a nossa cidade num lugar onde as pessoas possam pagar uma habitação, que é bem isolada e abastecida por energia renovável, uma cidade onde todos possam ter acesso a transportes públicos de alta qualidade e uma cidade que dê poder aos seus cidadãos para dar vida às suas ideias.

Sabemos que este objetivo é muito ambicioso. Mas também sabemos que é exequível se se juntarem a nós.

Por favor, digam-nos se estiverem interessados em participar e partilhem este convite com todos os vossos amigos e familiares!

Esperamos ver-vos no Macaréu!

Atenciosamente,


A equipa do Porto do GNDE (Green New Deal para a Europa)

PS: Se desejarem saber mais acerca do GNDE, podem ver aqui.
https://report.gndforeurope.com/executive-summary-pt/

E se quiserem saber mais sobre a ideia das assembleias populares, aqui está algum material:

https://report.gndforeurope.com/#2.3

https://rebellion.earth/wp/wp-content/uploads/2019/06/The-Extinction-Rebellion-Guide-to-Citizens-Assemblies-Version-1.1-25-June-2019.pdf

8.02

Às 21.30h

Apresentação do CD Espinho, piano solo, de Manuel Guimarães e músicos convidados

Manuel Guimarães, pianista, guitarrista, compositor e improvisador. Iniciou a formação musical em piano, nos anos 60, na Academia de Música de Espinho, posteriormente, nos anos 80, em composição, no Conservatório de Música do Porto, e em 2014, em Ciências Musicais na Universidade Nova de Lisboa. O seu percurso musical abrange diferentes áreas: erudita, rock, folk, jazz e improvisação transidiomática. Mantém colaboração com vários músicos deste espectro de influências. Gravou, em piano solo, o CD Flow me, em 2016, e o CD Espinho, em 2019. Faz parte do ensemble Gestalt, do Quarteto Incrível, Free Pantone Trio, e Metaphysical Angels.

1.02

Às 21.00h

E

2.02

Às 18.00h

The Pambazos Bros – Flamingos de Fuego

Flamingos de Fuego é um conjunto cômico-músico-tropical. Integrado por três músicos românticos incansáveis, que deleitam o público com clássicos do Bolero, da Cumbia e do Chachacha em versões cômicas.

Este espetáculo cênico musical nos recria aquele ambiente e estética tão peculiar dos boleros dos anos 50, numa seleção de músicas arrancadas das páginas do cancioneiro internacional, grifadas em si da linguagem mais viva do comum das ruas da nossa América e do mundo, tudo adocicado com muito humor.

1.02

Às 18.00h

Nunes Zarel·leci cOBRA

Leituras dos 6 livros de poesia do autor e apresentação de video-poemas “Poesia em Loop”

Biografia: 

Nunes Zarel·leci (pseudónimo) nasceu em Lourenço Marques em 1970. Vive no Porto desde 1975. Viajou pela Europa de mochila nos anos ’90. Entre 1999 e 2005 viveu em Barcelona. É autor de fanzines desde 1989. Criou as Edições D.Flagra em 2005 e publicou 6 livros de poesia desde então. É Cordão Amarelo no Jogo da Capoeira. Frequenta Associações Culturais e de Solidariedade Social, Bibliotecas, Okupas e Livrarias.

https://edicoesdeflagra.wordpress.com/.

31.01

Às 21.00h

Concerto de Tim Miller – Dimitri


Dimitri
Scientific music from the European continent. Hi-fidelity audio which consist of Adverts, Love Songs and Official Soundtracks. Plus Night Time Driving Music and the commentary of a sophisticated lifestyle.
https://open.spotify.com/artist/1nk8IQSfxr2tklMXSiULBs?si=pJm_pU99TdG9MwBlan4wCQ
https://youtu.be/tYk8A0y92Ac
https://www.instagram.com/dimitri_why_dont

std.mdl[shitxyz]
Tim Miller is a songwriter from the Potteries and singer with the wild Rio de Janeiro based Garage Punk band, [std].mdl. He deconstructs pop songs in the name of Brechtian alienation. Everything he says is a lie, but his heart is true. He cheerfully sings of his own failure, the failure of others and the failure of society in general. He is very much looking forward to returning to Hamburg.
https://soundcloud.com/3tandard-model
https://www.stokesentinel.co.uk/news/rio-based-singer-finally-returns-1063901
https://www.facebook.com/AStandardModel/
https://www.instagram.com/std.mdl/

insta & twitter @jackofthearts

29.01

Às 21.00h

Conversa/Debate: Primavera pelo Clima

O planeta está numa crise climática: os e as cientistas concordam que estamos à beira dum colapso ecológico e no meio da sexta extinção em massa que nós causamos. Isto é uma emergência global sem precedentes. Se queres saber mais sobre o que está a acontecer ao nosso planeta e como podes fazer parte duma rebelião por um planeta habitável, isto é a tua oportunidade.

Nesta apresentação pública, vamos partilhar a ciência climática mais actual, discutir o ponto de situação das políticas climáticas e oferecer soluções de acordo com estudos dos movimentos sociais. Vamos também partilhar planos sobre as mobilizações da Primavera de 2020.

Toda a gente é bem-vinda e vamos ter bastante tempo para perguntas e comentários. A entrada é livre mas pedimos donativos para cobrir as despesas de viagem d@s oradorxs, se puderes.

Queres marcar uma apresentação no teu bairro / na tua escola / na tua faculdade / na tua associação? Fala connosco.

Mais informações:
www.climaximo.pt

24 e 25 de Janeiro às 21:30h

26 de Janeiro às 16:30h

MACARÉU – ASSOCIAÇÃO CULTURAL apresenta MIGRANTES 

a partir de

MIGRAAAANTES

ou

É GENTE A MAIS NESTE BARQUINHO DE MERDA 

ou 

O SALÃO DA CLAUSURA 

de Matéi Visniec

No espectáculo MIGRANTES questionamos até que ponto somos todos migrantes, imigrantes, emigrantes ou refugiados. Questionamos os meios, as vontades e as necessidades de quem se vê obrigado a deixar tudo para trás e a atravessar o mar. Que tipo de negócios esconde esta crise? Estamos todos no mesmo barco? O espectáculo apresenta várias perspectivas para uma crise que é, no fundo, de todos nós.

O projecto, iniciado em Setembro de 2019, junta em cena pessoas de várias áreas profissionais. 

“Globalizamos a economia, promovemos a circulação de ideais, de capitais, de mercadorias e de serviços… Então porque não reconhecer também o direito de as pessoas circularem livremente?”

Encenação: Emanuel Rodrigues 

Assistência de encenação: Sara Ângelo Matias 

Operação de luz e som: Sara Ângelo Matias

Elenco: Emanuel Rodrigues, Helmar, Isabel Andrade Silva, Marisa Alves, Mário Ferreira, Patrícia Santos e Teresa Dantas 

Agradecimentos: Luís Ternus, Diogo Barbedo, Maria das Dores Santos, Menino do Douro, Sandra Ramos, Flora Oliveira, Helder Alves, Celina Andrade, Orquídea Soares de Lima, Sofia Neiva, Luísa Albuquerque, Luís Cochofel, Gueorgui Smirnov

O bar estará aberto

Lotação limitada

Macaréu, onda poderosa, contra a corrente, contagiante, única e transformadora…

Um Lugar urbano aberto, diverso e inclusivo – comunidade de acolhimento, encontro,  integração, consciencialização e transformação – atento às múltiplas formas de expressão cultural, menos e/ou mais letradas, procurando valorizar, promover e cruzar saberes em liberdade de pensamento, da palavra e da acção individual ou colectiva; um Lugar de cooperação, integração e desenvolvimento comunitário sob o signo dos direitos humanos e deveres cívicos propondo uma comunidade diversa e coesa.

(Excerto da apresentação de Macaréu – Associação Cultural)

A apresentação desta peça surge de uma conversa com Emanuel Rodrigues no verão passado, o qual nos contactou para saber se poderíamos albergar no nosso espaço os ensaios e posterior representação da peça de teatro “Migrantes”, de Matéi Visniec.

Originalmente este projecto seria para realizar com actores profissionais. Contudo, no decorrer da nossa conversa, surgiu a ideia de levarmos a cabo este projecto com associados da Macaréu. Foi enviada uma mensagem aos associados para saber quem quereria participar nesta aventura. Os que responderam ao chamado são os actores que hoje terão oportunidade de ver em cena.

Helena Granja – Macaréu, Associação Cultural

O espectáculo “Migrantes” foi construído a partir de dois objectivos: o primeiro, e parte integrante do projecto, explorar as ferramentas do teatro, e o segundo, mais pessoal, a tentativa de significar através dessas mesmas ferramentas aquilo que me/nos parece ser mais importante de sublinhar.

Agradeço à Macaréu e aos actores que reservaram, durante 4 meses, algumas horas dos seus dias para explorar, questionar e viver estas realidades.

Emanuel Rodrigues – Encenador